Ler o texto, fitar a imagem

Autores

  • Julia Scamparini Uerj

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6328

Palavras-chave:

Autoficção. Recepção. Fotografia. Dispositivo.

Resumo

A partir da perspectiva do leitor, será analisado o uso de fotografias no romance Divórcio, de Ricardo Lísias. Parte-se da premissa de que imagens técnicas, ao serem impressas num livro classificado como romance, ou seja, num dispositivo literário, operam uma transgressão, no sentido iseriano (ano), trazendo à tona a tríade real-fictício-imaginário. Esta cristalização do fazer ficcional parte do caráter autoficcional do romance e chega nas fotografias, lidas inicialmente como documentos históricos, consequência de uma orientação cognitivo-antropológica da recepção. As fotografias comparecem, assim, como elementos ambíguos, que chamam atenção não só para sua imagem como também para seu meio, isto é, a fotografia enquanto dispositivo, e tudo o que ela representa contemporaneamente, ou seja, fora de um romance. Uma reflexão que retornará para a literatura tida também enquanto mídia/dispositivo fecha o ciclo do projeto artístico intermedial que é o romance Divórcio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Scamparini, Uerj

Pós-Doutora pela Universidade Federal Fluminense. Coordenou o Laboratório de Imagem e Som (lis.uff .br). Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Tradutora de italiano. Pesquisadora do discurso e da subjetividade nas mídias literatura e cinema.

Referências

BELTING, Hans. Por uma antropologia da imagem. Concinnitas, Rio de Janeiro, v. 1, n. 8,jul. 2005.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

FOUCAULT, Michel. A pintura de Manet. Visualidades, Goiânia, v. 8, n. 2, jul.-dez. 2010.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura. Uma teoria do efeito estético. São Paulo: 34, 1996. v. 1.

_______. Atos de fingir. ______. O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

LÍSIAS, Ricardo. Divórcio. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2013.

MANDELSTAN, Osip. Conversazione su Dante. Genova: Il Melangono, 2015.

MITTELBERG, Irene. Balancing acts: image schemas and force dynamics as experiential essence in pictures by Paul Klee and their gestural enactments. In: DANCYGIER, B.; BOKRENT, M.; HINNELL, J. (Eds.). Language and the creative mind. Stanford: Center for

the Study of Language and Information, 2013. pp. 325-346.

MARTONI, Alex; ULM, Hernán. O gesto de ouvir música em Vilém Flusser: tecnologias de áudio e rituais da percepção. Revista Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 19, p. 189, 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Tradução como Cultura. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 48, jan.-jun. 2005.

Downloads

Publicado

2017-12-21

Como Citar

Scamparini, J. (2017). Ler o texto, fitar a imagem. Raído, 11(28), 96–107. https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6328

Edição

Seção

PARTE II - PALAVRA E IMAGEM NO TEXTO LITERÁRIO