Os oito odiados: o cinema épico de Quentin Tarantino

Autores

  • Rosana Cristina Zanelatto Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS; CNPq

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6321

Palavras-chave:

Gênero. Teatro épico. Cinema épico. Quentin Tarantino.

Resumo

Propomos, neste artigo, uma leitura da película Os oito odiados (2015), de Quentin Tarantino, naquilo em que ela pode ser aproximada do teatro épico de Bertolt Brecht, utilizando, para qualificá-la, a rubrica cinema épico. Os objetivos deste trabalho são refletir sobre: a dinâmica dos gêneros, a importância da funcionalidade e do efeito para os estudos sobre os gêneros e o papel didático (como postulado por Brecht para seu teatro épico) do cinema de Tarantino. Para tanto, analisamos os modos pelos quais Os oito odiados desenvolve o papel didático, encenando situações-limites do ser humano e promovendo reflexões em torno de possíveis questões que impelem o ser humano rumo à violência. Para a leitura dessa película, valemo-nos das perspectivas teóricas de Wolfgang Kayser sobre o gênero, de Noé Jitrik sobre o efeito, de Bertolt Brecht e de Anatol Rosenfeld sobre o teatro épico e de Ariano Suassuna sobre as relações possíveis entre teatro e cinema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Cristina Zanelatto Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS; CNPq

Doutora em Letras pela USP e professora de Literaturas de Língua Portuguesa do Curso de Graduação em Letras da UFMS – Campo Grande. Também é docente e orientadora dos Programas de Pós-Graduação em Letras (Mestrado e Doutorado) e em Estudos de Linguagens (Mestrado) da UFMS. Pesquisadora do CNPq e da FUNDECT.

Referências

BRECHT, Bertolt. Ascensão e queda da cidade de Mahagonny. In: _______. Teatro Completo 3. Tradução Marcos Roma Santa, Wira Selanski e Wolfgang Bader. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

JITRIK, Noé. “Efecto”. In: LÓPEZ, Silvana (Org.). Transgenericidad: ensayos críticos. Corrigidor: Ciudad Autónoma de Buenos Aires, 2015. p. 23-41.

KAYSER, Wolfgang. “A estrutura do gênero”. In: _______. Análise e interpretação da obra literária. Tradução Paulo Quintela. 7. ed. Coimbra: Arménio Amado, 1985. p. 367-431.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 1985.

SUASSUNA, Ariano. “As artes de espetáculo”. In: _______. Iniciação à Estética. 6. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004. p. 343-349.

THE HATEFUL Eight. [OS OITO odiados]. Direção: Quentin Tarantino. Produção: Richard N. Gladstein, Shannon McIntosh, Stacey Sher. Roteiro: Quentin Tarantino. Intérpretes: Bruce Dern, Demián Bichir, Jennifer Jason Leigh, Kurt Russell, Tim Roth, Samuel L. Jackson, Michael Madison, Walton Goggins, Channing Tatum, Quentin Tarantino (narrador/voz). [s.l], 2015. 1 bobina cinematográfica (187 minutos), son., color., Cinemascope 70 mm.

Downloads

Publicado

21/12/2017

Como Citar

Santos, R. C. Z. (2017). Os oito odiados: o cinema épico de Quentin Tarantino. Raído, 11(28), 214–222. https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6321

Edição

Seção

PARTE III - ENTRE A LINHA E A SUPERFÍCIE: LITERATURA E IMAGEM TÉCNICA