Poesia e humildade em Chico Buarque de Holanda: “Pedro pedreiro” ou “Quem espera nunca alcança”

Autores

  • Luciano Dias Cavalcanti Universidade do Vale do Rio Verde

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v11i26.5604

Palavras-chave:

Chico Buarque. MPB. Poesia.

Resumo

Chico Buarque surge no cenário cultural brasileiro inserindo-se na tradição do samba, absorvendo de seus compositores iniciais a adesão à voz do desqualificado social e a tendência à crônica da vida popular. Uma presença garantida em sua obra poético-musical é a dos desvalidos, configurada por uma galeria de desqualificados, seja em seu aspecto social ou moral. Uma figura importante relacionada a este mundo humilde é a do trabalhador. Neste texto, deter-nos-emos na figura do pedreiro da canção “Pedro pedreiro”. O elemento humilde trabalhado pelo compositor também se revela em sua elaboração artística formal, fornecendo-lhe um importante recurso estilístico para sua poética: o despojamento, a redução do poético ao essencial e a aderência à linguagem popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Dias Cavalcanti, Universidade do Vale do Rio Verde

Realizou estágio de pós-doutorado no Departamento de Literatura Brasileira da UNESP/Araraquara (2011-2013). Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (2007), Mestre em Letras: Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001) e Graduado em Letras: Língua Portuguesa e suas respectivas literaturas pela Universidade Federal de Ouro Preto (1998). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, Literatura Comparada e Teoria Literária, atuando principalmente nos estudos de poesia moderna e contemporânea, tendo como principais objetos de estudos os poetas Jorge de Lima, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e a relação entre Música Popular Brasileira e a Poesia.

Referências

ADORNO, Theodor W. “Lírica e Sociedade”. In: BENJAMIN, Walter et alii. Textos escolhidos. São Paulo: Nova Cultural, 1980.

ARRIGUCCI JR., Davi. “O humilde cotidiano de Manuel Bandeira”. In: Enigma e comentário. São Paulo: Companhia das Letras, 1983.

CESAR, Lígia Vieira. Poesia e política nas canções de Bob Dylan e Chico

Buarque. São Paulo/ São Carlos: Editora UFSC; Estação Liberdade, 1993.

DA’MATTA, Roberto da. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6ª ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

GALVÃO, Walnice Nogueira. “Uma análise ideológica da MPB”. In: Saco de gatos: ensaios críticos. São Paulo: Duas Cidades, 1976.

HOLANDA, Chico Buarque de. Chico Buarque: letra e música. (Humberto Werneck, org.) São Paulo: Companhia das Letras, 1989. (Songbook)

HOLANDA, Chico Buarque de. “Entrevista a Tarso de Castro”. In: Folha de São Paulo,11/09/77.<http://www.chicobuarque.com.br/texto/mestre.asp?pg=entrevistas/entre_11_09_77.htm.> Acesso em 18-08-2016.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde 1960/70. São Paulo: Brasiliense, 1980.

MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho Mágico: poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Hucitec, 1982.

MORAES, Vinicius de. Antologia Poética. 17ªed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

PERRONE, Charles A. Letras e Letras da MPB. Rio de Janeiro: Elo Editora, 1988.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. Rio de janeiro: Mauad, 1988.

SITE OFICIAL de Chico Buarque <http://www.chicobuarque.com.br/> - Acesso em 20-08-2016.

Downloads

Publicado

14/07/2017

Como Citar

Cavalcanti, L. D. (2017). Poesia e humildade em Chico Buarque de Holanda: “Pedro pedreiro” ou “Quem espera nunca alcança”. Raído, 11(26), 92–103. https://doi.org/10.30612/raido.v11i26.5604

Edição

Seção

ARTIGOS - LITERATURA E PRÁTICAS CULTURAIS