Escrita de diários e seu potencial terapêutico em adolescentes judicialmente acolhidos

Viviane Dinês Bartho, Elzira Yoko Uyeno

Resumo


Tendo como sujeitos de pesquisas adolescentes em situação de acolhimento devido a abandono familiar e/ou maus tratos, esta pesquisa delimitou como problema as constantes queixas dos adolescentes as quais pareciam imobilizá-los frente a ações que pudessem transformá-los. O objetivo foi desenvolver atividades de leitura e propor a elaboração de diários pessoais a fim de responder aos seguintes questionamentos: o que imobilizava os adolescentes a ponto de resistirem aos benefícios que a instituição e os projetos pedagógicos poderiam oferecer-lhes? Como mobilizá-los? A escrita teria função terapêutica? Resultados da análise do corpus, guiada pela Análise do Discurso Francesa e conceitos da Psicanálise, apontam que os adolescentes assumiam posicionamento de vítimas, e isso os fixava na condição de excluídos. A escrita, nesse contexto, teve função terapêutica por meio de manejos psicanalíticos que “desautorizavam” o sofrimento.

Palavras-chave


Leitura. Leitor. Memória discursiva. Formações imaginárias.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.