Construção discursiva de subjetividades em práticas memorialísticas de leitura

Carmen Brunelli de Moura, Marluce Pereira da Silva

Resumo


A escrita de si tem se constituído em uma prática discursiva cujos sentidos revelam um trabalho de transformação de si mesmo. É nesse viés que o meio acadêmico tem se utilizado desta prática e investido no gênero histórias de vida cujo intuito é dar a conhecer ao outro e ao próprio escritor seus pensamentos, valores, crenças, atitudes e modos de lidar com suas experiências vividas, principalmente, com as práticas leitoras. A partir de textos produzidos por alunos-professores de um curso de especialização, de uma instituição particular de ensino superior, no ano de 2012, objetiva-se descrever como são produzidas discursivamente as subjetividades de professores em suas histórias de leitura. Os resultados evidenciam um emaranhado de subjetividades leitoras que se perdem e se acham entre práticas memorialísticas de leitura, propiciadas pelo gênero, e uma relação muito intensa tanto com as práticas leitoras da educação básica quanto com as práticas do ensino superior.

Palavras-chave


Práticas de leitura. Escrita em si. Discursos.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.