Participação docente na formação continuada colaborativa

o trabalho com os gêneros discursivos nos anos iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16391

Palavras-chave:

Formação continuada colaborativa, Gêneros do discurso, mediação

Resumo

Este texto encontra-se organizado em torno do tema Formação Continuada Colaborativa (FCC) de professores, focando, mais especificamente, no trabalho com os gêneros discursivos no ensino de Língua Portuguesa (LP), dentro do qual objetivamos refletir sobre o processo de Formação Continuada Colaborativa desenvolvido com professores do 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental – anos iniciais. Amparamo-nos, teórico-metodologicamente, na Teoria Histórico Cultural ao ponderar sobre o processo de aprendizagem do ser humano; na Concepção Dialógica da Linguagem, ao defender o ensino de LP pautado em gêneros do discurso; e em Magalhães (2004, 2011), Liberali (2004), Pimenta (2005), Costa-Hübes (2008), dentre outros, para tratar da formação docente, mais especificamente, da FCC. Demonstra[1]mos, por meio de um relato reflexivo, os resultados de uma experiência vivenciada durante a pesquisa de doutorado inscrita na Linguística Aplicada e desenvolvida no período de 2017 a 2020, no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Sustentados pela abordagem qualitativa interpretativista, orientando-se pelos princípios da pesquisa-ação crítico-colaborativa, os dados gerados comprovaram que esse processo corroborou transformações individuais e sociais, por meio de interações interdiscursivas, que refratou e refletiu um posicionamento responsável, valorado no discurso em situação de ensino e aprendizagem de LP, ou seja, na formação de sujeitos que tenham palavras próprias e produzam contrapalavras. Isso demonstra que o investimento na formação docente pode, sim, (re)significar as ações na sala de aula, uma vez que possibilita repensar a prática, aliando-a a princípios teóricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACOSTA PEREIRA, R.; RODRIGUES, R. H. Os gêneros do discurso sob a perspectiva da Análise Dialógica de Discurso do Círculo de Bakhtin. Letras, Santa Maria, v.20, n.40, p. 147-162, jan./jun. 2010.

ANGELO, C. M. P. Mediações colaborativas e pedagógicas na sala de apoio à aprendizagem de língua portuguesa. 2015, Maringá, PR: Tese (doutorado) - Pós-graduação em Letras, Área de concentração: Estudos Linguísticos, Universidade Estadual de Maringá, PR.

BAKHTIN, M. (1975). Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução do russo por Aurora Formoni Bernardini et al. 6.ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, M. (1919-1921). Para uma filosofia do ato responsável. Tradução do inglês de Valdemir Miotello & Carlos Faraco. 2. ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

BAKHTIN, M. (1979). Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BAQUERO, R. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Tradução de Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília: 1998.

CHEVALLARD, Y. La Transposition Didactique. Grenoble: La Pensée sauvage, 1991.

COELHO, G. M. de S. Formação contínua e pesquisa colaborativa: impulsionando transformações em contextos escolares. Revista Marcas Educativas, Teresina, v.1, n.1, p. 70-82, Ago., 2011.

COSTA-HÜBES, T. da C.; ORTEGA, L. R. A constituição da identidade do sujeito na relação professor-aluno. In: SALEH, P. B. de O.; COSTA-HÜBES, T. da C. (Orgs.). O lugar da subjetividade no ensino da língua(gem). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2018. p. 47-74.

COSTA-HÜBES, T. da C. Prática de análise linguística no ensino fundamental e sua relação com os gêneros discursivos. PERcursos Linguísticos. Vitória (ES), V. 7, n. 14, p. 270-294, 2017.

COSTA-HÜBES, T. da C. Pressupostos teóricos e encaminhamentos para as atividades de leitura. In: COSTA-HÜBES, T. da C. (Org.) Atividades de leitura e de análise linguística: 5º ano – caderno pedagógico 01. Cascavel: ASSOESTE, 2015. p. 7-18.

COSTA-HÜBES, T. da C. Os gêneros discursivos como instrumentos para o ensino de Língua Portuguesa: perscrutando o método sociológico bakhtiniano como ancoragem para um encaminhamento didático-pedagógico. In: NASCIMENTO, E. L. do; ROJO, R. H. R. (Orgs.). Gêneros de Texto/Discurso e os desafios da contemporaneidade: São Paulo: Pontes Editora, 2014. p. 13-34.

COSTA-HÜBES, T. da C. O processo de formação continuada dos professores do Oeste do Paraná: um resgate histórico-reflexivo da formação em Língua Portuguesa. Londrina, 2008, 308 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina - PR, 2008.

CRISTOVÃO, V. L. A relação entre teoria e prática no desenvolvimento do professor. In: MAGALHÃES, M. C. C. (Org). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, Mercado das Letras, 2004. p. 251-278.

FARACO, C. A. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2009.

FREIRE, P. (1986). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, P. (1968). A pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GERALDI, J.W. [1984]. O texto na sala de aula. 5. ed. São Paulo: Ática, 2011.

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

HALTÉ, J.-F. O espaço didático e a transposição. Fórum Linguístico, 5 (2): 117-139, Florianópolis, Jul. dez., 2008.

HORIKAWA, A. Y. A interação pesquisador-professor: por uma relação colaborativa. In: MAGALHÃES, M. C. C. (Org). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, Mercado das Letras, 2004. p. 121-144.

IBIAPINA, I. M. L. Pesquisa Colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro Editora. 2008.

LIBERALI, F. C. As linguagens das reflexões. In: MAGALHÃES, M. C.C. (Org). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas-SP: Mercado das Letras, 2004. p. 87-117.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2014.

MAGALHÃES, M. C. C.; OLIVEIRA, W. Vygotsky e Bakhtin/Volochinov: dialogia e alteridade. Bakhtiniana. São Paulo, v. 1, n. 5, p. 103- 115, 1º semestre 2011.

MAGALHÃES, M. C.C. Pesquisa crítica de colaboração: escolhas epistemo-metodológicas na organização e condução de pesquisas de intervenção no contexto escolar. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. p. 13-40.

MAGALHÃES, M. C.C. A linguagem na formação de professores reflexivos e críticos. In: MAGALHÃES, M. C.C. (Org). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, Mercado das Letras, 2004. p. 59-117.

MENEGASSI, R. J. O leitor e o processo de leitura. In: GRECO, E. A.; GUIMARÃES, T. B. Leitura: aspectos teóricos e práticos. Maringá: Eduem, 2010.

MIOTELLO, V. Para compreender Bakhtin. In: MIOTELLO, V. Palavras e contrapalavras: conversando sobre trabalhos de Bakhtin. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. p. 88-95.

MOITA LOPES, L. P. da. Fotografias da Linguística Aplicada brasileira na modernidade recente. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, 2013. p. 15-38.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 15-33.

OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio- -histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

ORTEGA, L. R. Formação Continuada Colaborativa de professores: mediações e con trapalavras. Cascavel, 2020, 311f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós- -graduação Stricto Sensu em Letras na Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Cascavel - PR, 2020.

ORTEGA, L. R. Práticas de uso da linguagem com o gênero discursivo Regras de Jogo: um trabalho com sequência didática para o aprimoramento da capacidade linguístico-discursiva. Cascavel, 2016, 368 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Letras, Mestrado Profissional – Profletras – da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Cascavel - PR, 2016.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares Estaduais da Educação Básica: Língua Portuguesa. Curitiba: 2008.

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa. São Paulo, v 31, n3, p. 521-539, 2005.

RODRIGUES, R. H. Os gêneros do discurso nas aulas de Língua Portuguesa: (re)discutindo o tema. In: NASCIMENTO, E. L. do; ROJO, R. H. R. (Orgs.). Gêneros de Texto/Discurso e os desafios da contemporaneidade: São Paulo: Pontes Editora, 2014. p. 35-56.

RODRIGUES, R. H. A Constituição e Funcionamento do Gênero Jornalístico Artigo: Cronotopo e Dialogismo. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Lin guagem – LAEL – PUCSP). São Paulo: PUCSP, 2001.

OTSKI, L. S. (1933). A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VOLOCHÍNOV, V. N. (1929). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.

VOLOCHÍNOV, V. N.; BAKHTIN, M. Discurso na Vida e Discurso na Arte (sobre a poética sociológica).Trad. De Carlos Alberto Faraco & Cristóvão Tezza [para fins didáticos]. Versão da língua inglesa de I. R. Titunik a partir do original russo, 1926.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Hubes, T. C. ., & Ortega, L. R. . (2022). Participação docente na formação continuada colaborativa: o trabalho com os gêneros discursivos nos anos iniciais. Raído, 16(40), 351–383. https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16391

Edição

Seção

Formação de professoras de Português na Licenciatura em Pedagogia: olhares da LA