Instrumentos para o trabalho docente

a produção de sds no curso de pedagogia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16388

Palavras-chave:

sequências didáticas, instrumentos psicológicos, formação de professores, pedagogia

Resumo

Para realizar o trabalho docente, o professor utiliza vários artefatos, tais como os documentos de prescrição vindos de instâncias superiores, os livros didáticos, os materiais compartilhados por outros colegas. Contudo, nem sempre, tais artefatos chegam a tornar-se instrumentos efetivamente apropriados pelo docente para desenvolver a sua prática, pois, na maioria das vezes, ele não pode participar da produção de tais materiais e/ou não pode compreender quais os princípios ou qual a lógica interna que os sustentam. As pesquisas sobre trabalho docente vêm indicando a importância de o professor ter a oportunidade de se apropriar de instrumentos, para, assim, atuar junto aos seus alunos, ajudando-os a também construírem os instrumentos necessários a suas interações sociais. Partindo desses pressupostos, este artigo tem como objetivo discutir duas experiências que visaram a aprimorar a formação linguística em dois componentes curriculares de um curso de pedagogia de uma universidade particular do interior de São Paulo. Nessas experiências, o foco foi, em um primeiro momento, a produção de sequências didáticas (SD) de vários gêneros textuais es[1]colhidos pelos estudantes de graduação e, depois, em um segundo momento, a elaboração de parte das atividades de uma SD. Para guiar as reflexões e o trabalho didático, assumiu- -se o quadro teórico-metodológico do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 1999, 2019) em suas articulações com o Interacionismo Social de Vygotsky, além das discussões da Didática das Línguas de Schneuwly e Dolz (2004), sobretudo, no tocante às questões da engenharia didática e das capacidades de linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMIGUES, R. L’enseignement comme travail. In: BRESSOUX, p. (Ed.) Les stratégies d’enseignement en situation d’interaction. Note de synthèse pour Cognitique. Paris: Programme Ecole et Sciences Cognitives, 2002. p. 243-262.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. (Org.) O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p. 35-54.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso: 15 jan. 2022. BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem: discurso e desenvolvimento humano. Tradutoras Anna Rachel Machado. e Malu Matêncio. Campinas: Mercado de Letras. 2009.

BRONCKART, J. P. Os gêneros de texto, quadros organizadores da “verdadeira vida” dos signos. In: BRONCKART, J-P; BULEA-BRONCKART, E. As unidades semióticas em ação: estudos linguísticos na perspectiva do Interacionismo Sociodiscursivo. Tradutoras Eliane Lousada, Luzia Bueno e Ana Maria de Mattos Guimarães. Campinas: Mercado de Letras. 2017. p. 37 - 50 .

BULEA BRONCKART, E, BRONCKART, J. P. Les conditions d’exploitation de l’analyse des pratiques pour la formation des enseignants. In: Linguarum Arena, 2010, vol. 1, n° 1, p. 43-60. https://archive-ouverte.unige.ch/unige:37285.

CLOT, Y. Funções psicológicas do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

COPPOLA, A.; DOLZ, J. Ensinar o debate regrado sobre as (des) igualdades entre os sexos no primário: evolução da distribuição da fala entre os (as) participantes. Revista Linha D’Água (On Line), v. 33, n. 2, 2020. p. 19-38.

DOLZ, J. As atividades e os exercícios de língua: uma reflexão sobre a engenharia didática. Revista Delta. São Paulo, v. 32, n. 1, 2016. p. 237-260 http://dx.doi. org/10.1590/0102-4450321726287520541.

DOLZ, J. Ensinar a língua portuguesa: da sequência didática ao(s) itinerário(s) de ensino. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DO INTERACIONISMO SOCIODISCURSIVO, 4. ed, Porto Alegre: UNISINOS, 2019.

DOLZ, J.; PASQUIER, A.; BRONCKART, J. P. L’acquisition des discours: émergence d’une compétence ou apprentissage de capacités langagières? Ètudes de Linguisti ques Appliquée, 1993. p. 23-37.

DOLZ, J. Gêneros textuais orais: inovações para o ensino na educação básica. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2020 DOLZ, J.; LACELLE, N. L’innovation en didactique: de la conception à ‘évaluation de dispositifs. La Lettre de l’AIRDF. Genève, n. 62, 2017. p. 5-9.

DOLZ, J.; LIMA, G.; ZANI, J. B. Itinerário para o ensino do gênero fábula: a formação de professores em um minicurso. Revista Textura. v. 22, n. 52, out-dez 2020. p. 1-25.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Tradutoras Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. 2ª ed. Campinas: Mercado de letras, 2010.

DOLZ, J.; GAGNON, R.; DECÂNDIO, F. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Tradução Fabrício Decândio e Anna Rachel Machado - Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

FRIEDRICH, J. Lev Vygotsky: mediação, aprendizagem, desenvolvimento. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

GATTI, B. A. Professores do Brasil: novos cenários de formação / Bernardete Angelina Gatti, Elba Siqueira de Sá Barretto, Marli Eliza Dalmazo Afonso de André e Patrícia Cristina Albieri de Almeida. – Brasília: UNESCO, 2019.

GERALDI, J. W. (Org.) O texto na sala de aula: leitura e produção. 2. ed. Cascavel: ASSOESTE, 1985.

MACHADO, A. R. Por uma concepção ampliada do trabalho do professor. In: GUIMARÃES, A. M. de M; MACHADO, A. R; COUTINHO, A. (Org.). O interacionismo sociodiscursivo. Campinas, Mercado de Letras, 2007. p. 77-97.

MACHADO, A.R. & LOUSADA, E. A apropriação de gêneros textuais pelo professor: em direção ao desenvolvimento pessoal e à evolução do “métier”. In: Revista Linguagem em (Dis)curso. V.10, n.3, p 619-633. Palhoça/SC. 2010.

MORETTO, M. Aula de português: um espaço para o dialogismo. Leitura: Teoria e Prática, v. 27, n. 53, 2009.

PIMENTA, S. G. et al. Os cursos de licenciatura em pedagogia: fragilidades na formação do professor polivalente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.43, n.1, p. 15-30, 2017.

SAUJAT, F. Ergonomie de l’activité enseignante et développement de l’expérience professionnelle: une approche clinique du travail du professeur. Tese de doutorado, Universidade Aix-Marseille, 2002.

SAUJAT, F. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. In: MACHADO, A. R. (Org.) O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004, p. 3-34.

SAVIANI, D. A Pedagogia Histórico-Crítica, as Lutas de Classe e a Educação Escolar. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 25-46, dez. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/ view/9697/7085. Acesso em: 02 abr. 2022.

SAVIANI, D. Pedagogia: O espaço da educação na universidade. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, jan./abr. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/6MYP 7j6S9R3pKLXHq78tTvj/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 15 jan. 2022.

SCHNEUWLY, B. Palavras e ficcionalização: um caminho para o ensino da linguagem oral. In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Tradutoras Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. 2ª ed. Campinas: Mercado de Letras. 2010, p. 109-124.

SOLÉ, I. Estratégias de Leitura. Artmed, 6 ed., Porto Alegre, 1998. VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradutoras Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34. 2018.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Bueno , L. ., Zani , J. B., & Jacob , A. E. . (2022). Instrumentos para o trabalho docente: a produção de sds no curso de pedagogia. Raído, 16(40), 292–321. https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16388

Edição

Seção

Formação de professoras de Português na Licenciatura em Pedagogia: olhares da LA