O (não) lugar da alfabetizadora em proposições pedagógico-curriculares de língua portuguesa para o ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16380

Palavras-chave:

Pedagogia, Docência, Currículo, Alfabetização, Letramento

Resumo

A formação de professoras de língua portuguesa para os anos iniciais é condicionada historicamente por clivagens nos currículos da escola básica e de suas contrapartes nos cursos de licenciatura. Aos primeiros anos do Ensino Fundamental I, atribui-se historicamente o objetivo primeiro de promover a aquisição da escrita alfabética, num espaço discursivo caracterizado pela concorrência entre concepções teórico-metodológicas produzidas em campos diversos do conhecimento. A produção de textos, em práticas de leitura e de escrita, ocupa posição diversa nesses espaços de concorrência, concebida ora como uma pré-condição para que o processo de alfabetização se realize de forma significativa para o alfabetizando, ora como um fator instrumental para a efetivação do processo de alfabetização, o que produz efeitos sobre os modos como o conceito de letramento é apropriado como referência didático-pedagógica. A formação do leitor e do escritor é prevista então para ocorrer, ou integradamente à aquisição da escrita alfabética, ou apartadamente, quando as possibilidades de realização autônoma da escrita alfabética pelos/as estudantes estariam/deveriam estar estabelecidas. Nesse processo curricular difuso, as diferentes funções atribuídas à língua, ao texto e ao letramento referenciam modos diversos de valoração profissional da alfabetizadora, conquanto se atribua ou não a esta, curricularmente, a função de professora de língua portuguesa. O objetivo neste trabalho é o de caracterizar as representações oficiais do trabalho docente decorrentes do nível de especialidade que se atribui à formação e à atuação profissional da professora de língua portuguesa para as fases iniciais da escolarização no Ensino Fundamental I. Para responder a este objetivo foram analisados, com base em conceitos da análise de discurso de linha francesa, os modos como se inter-relacionam concepções de língua, de texto e de letramento em documentos de referência curricular para o ensino de língua portuguesa nos anos iniciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEISIEGEL, C. R. Os primeiros tempos da pesquisa em sociologia da educação na USP. Educação e Pesquisa, vol. 39, n.3, p. 589-607, 2013.

BRITTES, L. R.; FERREIRA, L. S. algumas determinações dos Parâmetros Curriculares Nacionais e seus efeitos de sentidos sobre o trabalho dos professores de língua materna. Instrumento: Revista de Estudos e Pesquisa em Educação, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. v. 13, n. 2, p. 83-90, 2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Secretaria de Edu cação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf > Acesso 20 maio 2018.

______. Pacto Nacional para a Alfabetização na Idade Certa. Brasília: MEC, SEB, 2012.

CHAVES, P. M. Uma base para a semiformação socializada: a vulgarização da crítica como estratégia de produção do consenso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.37, e228059, 2021.

FERREIRO, E. A Escrita... antes das letras. In H. Sinclair (Ed.). A produção de nota ções na criança. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1990.

______. Diversidad y proceso de alfabetización: de la celebración a la toma de conciencia. Lectura y vida: Revista Latinoamericana de Lectura. Asociación Internacional de Lectura: Buenos Aires, Argentina. Año 15, n. 3, p. 1-11, 1994.

______. Fala, mestre! [Emilia Ferreiro]. Alfabetização e cultura escrita. Nova Escola, São Paulo, ano XVII, n. 162, p. 27-30, maio 2003 (Entrevista).

FRANCHI, E. P. Pedagogia da alfabetização: da oralidade à escrita. 3ª Ed. São Paulo: Cortes, 1991.

FREITAS, M. C. Desempenho e adaptação da criança pobre à escola: o padrão de pesquisa do CRPE-SP. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 40, n. 3, p. 683-698, 2014.

GERALDI, J. W.; SILVA, L. L. M. ; FIAD, R. S. Linguística, Ensino de Língua Materna e Formação de Professores. In: D.E.L.T.A., São Paulo, vol.12, n. 2, p. 307-326, 1996.

LEMLE, M. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo, Ática, 1988.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Tradução Sírio Possenti. Curitiba, PR: Criar Edições, 2005.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e escrita: uma ou duas leituras do mundo?. Linha D’Água, São Paulo, n. 15, p. 41-62, 2001.

MARINHO, M. Currículos da escola brasileira: elementos para uma análise discursiva. Revista Portuguesa de Educação, vol. 20, n. 1, p. 163-189, 2007.

PIETRI, E. Efeitos dos modelos econômicos nas políticas de distribuição de bens linguísticos no Brasil. Educação, vol. 46, e53/ 1–25, 2021. https://doi. org/10.5902/1984644442037.

PINHEIRO, A.; GIAMBIAGI, F.; MOREIRA, M. M. O Brasil na década de 90: uma transição bem-sucedida? Rio de Janeiro: BNDES, Departamento Econômico - DEPEC, 36p., 2001. (Textos para discussão, n. 91).

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. Proposta Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa: 1º grau. São Paulo: SE/CENP, 2a ed, 1988.

SOARES, M. B. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1986.

STREET, B. Políticas e práticas de letramento na Inglaterra: uma perspectiva de letramentos sociais como base para uma comparação com o Brasil. Cadernos CEDES. Campinas/SP, v. 33, n. 89, p. 51-71, 2013.

VIEIRA, J.; FEIJÓ, J. A Base Nacional Comum Curricular e o conhecimento como commodity. Educação Unisinos. São Leopoldo, v. 22, n. 1, p. 35-43, 2018.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Pietri, E. de . (2022). O (não) lugar da alfabetizadora em proposições pedagógico-curriculares de língua portuguesa para o ensino fundamental. Raído, 16(40), 161–189. https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16380

Edição

Seção

Formação de professoras de Português na Licenciatura em Pedagogia: olhares da LA