Formação inicial de pedagogas como professoras de língua portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16378

Palavras-chave:

educação básica, aprendizagem colaborativa, ensino de língua materna

Resumo

Neste artigo foram respondidos três objetivos interconectados: (1) descrever o perfil profissional polivalente construído em documentos oficiais reguladores da formação inicial de pedagogas; (2) pontuar desdobramentos do referido perfil descrito para o ensino de Português como língua materna para crianças brasileiras; e (3) problematizar uma experiência de aprendizagem remota, colaborativa e empoderadora na formação inicial de pedagogas como professoras de língua materna. Foram realizadas análises de documentos oficiais e de relatos reflexivos escritos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa situada na Linguística Aplicada e realizada a partir do trabalho colaborativo entre representantes dos ensinos superior e básico. O diálogo entre as pedagogas em formação e uma professora da escola básica, mediado pelo formador em encontro virtual síncrono, e a escrita de relatos reflexivos sobre essa experiência interinstitucional contribuíram para a compreensão da literatura linguística e para uma articulação sustentável entre teoria científica e prática pedagógica, por parte dos participantes do trabalho colaborativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAGNO, M. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BARTON, D. Literacy: An Introduction to the Ecology of Written Language. Oxford: Blackwell, 1994.

BRASIL. Decreto Lei n. 1190, de 4 de abril de 1939. Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Diário Oficial da União: seção 1, Rio de Janeiro, p. 7729, 6 abr. 1939. Disponível em: Acesso em: 26 fev. 2022.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Edu cação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 11429, 27 dez. 1961. Dis ponível em: . Acesso em: 26 fev. 2022.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer nº 251/1962. Currículo mínimo e duração do curso de Pedagogia. Relator: Valnir Chagas. Documenta, n. 11, 1963.

BRASIL. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, n. 231, 28 nov. 1968 e retificada em 03 dez.1968. Acesso em: . 26 fev. 2022.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer nº 252/1969. Estudos pedagógicos superiores. Mínimos de conteúdos e duração para o curso de graduação em pedagogia. Relator: Valnir Chagas. Documenta, Brasília, n. 100, 1969.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 dez. 1996.

BRASIL. Decreto nº 3276, de 06 dezembro de 1999. Dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras providências. Presidência da República, Brasília, 1999. Disponível em: .Acesso em: 26 fev. 2022.

BRASIL. Decreto nº 3.554, de 07 de agosto de 2000. Dá nova redação ao § 2º do art. 3º do Decreto n.º 3.276, de 6 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1/2006, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficia da União: seção 1, p. 11, Brasília, 16 mai. 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2022.

BRASIL. Projeto político-pedagógico do curso de pedagogia do Campus de Palmas. Palmas: Universidade Federal do Tocantins, 2007. Fonte: . Acesso em: 27 fev. 2022.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Fonte: . Acesso em: 16 fev. 2022.

BRASIL, 2020. Universidade Federal do Tocantins. Resolução nº 28, de 08 de outubro de 2020. Dispõe acerca das Diretrizes Gerais para o desenvolvimento das atividades acadêmicas da UFT, Ensino Remoto (Online) e Ensino Híbrido, durante o período emergencial decorrente do coronavírus (Covid-19). Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2022.

CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2010. DEMO, P. Outra universidade. Judiaí: Paco Editorial, 2011.

CAGLIARI, L. C. Práticas de alfabetização de crianças e formação de alfabetizadoras. In: FARIA, E.; SILVA, W. R. (org.). Alfabetizações. Campinas: Pontes Editores, 2022. p. 16-41.

FRANCHI, C. Criatividade e gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 9, n. 1, p. 5-45, 1987. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2022.

FREIRE, P. Pedagogia do compromisso: América Latina e educação popular. Indaiatuba: Villa das Letras Editora, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da tolerância. 6. ed. Rio de Janeiro Paz & Terra, 2018.

FREITAS, M. T. A. A perspectiva vigotskiana e as tecnologias. In: REGO, T. C. (org.). Lev Vigotski: a importância da cultura e da linguagem na constituição do psiquismo. São Paulo: Editora Segmento, 2018. p. 85-95.

GATTI, B. A. Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. Coleção Textos FCC. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, v. 29, 2009.

GIOVINAZZO-JUNIOR, C. A. A formação profissional nos cursos de licenciatura e o exercício do magistério na educação básica: intenções, realizações e ambiguidades. Educar em Revista, v. spe, n. 1, p. 51-68, 2017. https://doi.org/10.1590/0104- 4060.49147.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. Halliday’s Introduction to Functional Grammar. 4th ed. London: Routledge, 2014.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e Pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MAGALHÃES, M. C. C. Pesquisa crítica de colaboração: escolhas epistemo-metodológicas na organização e condução de pesquisas de intervenção no contexto escolar. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. (org.). Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 13-39.

MARTELLI, A. C.; MANCHOPE, E. C. P. A história do curso de Pedagogia no Brasil: da sua criação ao contexto após LDB 9394/96. Revista Eletrônica de Ciências da Educação, v. 3, n. 1, p. 1 - 21, 2004. Disponível em . Acesso em 27/02/22.

OKADA, A.; MEISTER, I.; BARROS, D. M. V. Refletindo sobre avaliação na era da co-aprendizagem e co-investigação. In: Livro de resumos da CATES 2013 – 1ª Conferência internacional Avaliação e Tecnologias no Ensino Superior, 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2022.

PENNYCOOK, A. Critical Applied Linguistics: a critical introduction. London: Routledge, 2001. POOLI, J. P.; FERREIRA, V. M. R. Pedagogos construindo suas identidades: entre adscrição e escolhas. Educar em Revista, v. spe, n. 1, p. 19-37, 2017. https://doi. org/10.1590/0104-4060.50166.

REIS, A. P.; SILVA, W. R.; FREITAS, M. O. Gêneros mediadores de letramentos e educação científica. Confluência: Revista do Instituto de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Liceu Literário, v. s/v, n. 61, p. 249-282, 2021. https://doi.org/10.18364/ rc.2021n61.396.

SAVIANI, D. A Pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2008.

SIGILIANO, N. S.; SILVA, W. R. Diagnóstico de propostas de análise linguística em livros didáticos aprovados em programas oficiais. In: MAGALHÃES, T.; GARCIA-REIS, A.; FERREIRA, H. (org.). Concepção discursiva de linguagem: ensino e formação. Campinas: Pontes Editores, 2017. p. 19-40.

SILVA, C. S. B. Curso de pedagogia no Brasil: história e identidade. Campinas: Autores associados, 1999.

SILVA, W. R. Estudo da gramática no texto: demandas para o ensino e a formação do professor de língua materna. Maringá: Eduem 2011.

SILVA, W. R. Educação científica como estratégia pedagógica para formação de professoras. Veredas, v. 2, n. 23, p. 144-161, 2019. https://doi.org/10.34019/1982- 2243.2019.v23.29504.

SILVA, W. R. Letramento e fracasso escolar: o ensino da língua materna. 2. ed. Manaus: Editora UEA, 2020.

SILVA, W. R. Educação científica na pós-graduação: uma abordagem da linguística aplicada. Palmas: Universidade Federal do Tocantins, 2022a. (inédito) SILVA, W. R. (org.). Contribuições sociais da Linguística Aplicada: uma homenagem a Inês Signorini. Campinas: Pontes Editores, 2022b.

SILVA, W. R.; CAMPOS, L. Empoderamento profissional de alfabetizadoras em sessões virtuais. Revista Brasileira de Educação, 2022. (no prelo)

SILVA, W. R.; ANDRADE, A. A.; BATISTA-SANTOS, D. O. Perspectivas pedagógicas do estudo do verbo em livros didáticos: excesso permanente de metalinguagens para crianças. Horizontes, v. 39, n. 1, p. 1-26, 2021. https://doi.org/10.24933/horizontes. v39i1.1028.

SILVA, W. R.; SANTOS, J. S.; FARAH, B. F. Sustentabilidade e letramento do professor em formação inicial: demandas para atividades de ensino e de pesquisa. In: GONÇALVES, A. V.; BUIN, E.; CONCEIÇÃO, R. I. (org.). Ensino de língua portuguesa para a contemporaneidade: escrita, leitura e formação docente. Campinas: Pontes Editores, 2016. p. 85-109.

SILVEIRA, R. A.; SILVA, W. R.; REIS, A. P. Construção paradigmática do ensino de português como língua materna. Eutomia, v. 1, n. 23, p. 108-128, 2019. https://doi. org/10.51359/1982-6850.2019.240212 VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Silva, W. R. ., Brito, K. C. C. F. ., & Ferreira, V. . (2022). Formação inicial de pedagogas como professoras de língua portuguesa. Raído, 16(40), 100–134. https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16378

Edição

Seção

Formação de professoras de Português na Licenciatura em Pedagogia: olhares da LA