Construção de uma "bichopédia" nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Articulando língua portuguesa e ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16376

Palavras-chave:

ensino de escrita nos anos iniciais, verbete, interdisciplinaridade

Resumo

Neste trabalho, compartilhamos uma experiência pedagógica exitosa nos anos iniciais do Ensino Fundamental enfocando o gênero verbete. Construímos uma ação interdisciplinar entre Língua Portuguesa e Ciências em uma turma de 5º ano de uma escola de Juiz de Fora – MG, articulando uma reflexão entre conceitos científicos das ciências da natureza ao uso social da linguagem. A pesquisa-ação aliou os projetos de letramento e as sequências didáticas, em que propusemos a construção do hipergênero Bichopédia, cuja constituição se dá pelo verbete, conjugada à aprendizagem sobre os biomas brasileiros. Analisamos as capacidades de linguagem desenvolvidas pelos alunos, bem como a reflexão sobre os conhecimentos científicos na produção da sequência didática. Os resultados mostram que houve o desenvolvimento das capacidades dos discentes, sobretudo no que se refere às capacidades discursivas. Além disso, a Bichopédia possibilitou construir uma prática interdisciplinar para a reflexão sobre conceitos linguísticos e científicos do campo das ciências da natureza. Oferecemos caminhos possíveis para que docentes dos anos iniciais possam empreender práticas de escrita mediadas por gêneros, envolvendo uma sensibilização para a linguagem científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAGNO, M. Os objetivos do ensino de língua na escola: uma mudança de foco. In: Ligia Martha Coelho (Org). Língua materna nas séries iniciais do Ensino Fundamental: de concepções e de suas práticas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

BARROS, E. M. D. Transposição didática externa: a modelização do gênero na pesquisa colaborativa. RAÍDO, v. 6, n. 11, 2012.

BONINI, A. Mídia/suporte e hipergênero: os gêneros textuais e suas relações. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 11, n. 3, p. 679-704, 2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa/ 1ª a 4ª séries. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

COELHO, L. M. (Org). Língua materna nas séries iniciais do Ensino Fundamental: de concepções e de suas práticas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

BRONCKART, J.P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um Interacionismo sócio-discursivo. São Paulo. EDUC, 2009.

COSTA, S. R. Dicionário de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

DALAMURA, A. C. S. R. Linguagem e ensino de ciências: um estudo sobre o gênero textual verbete e sua transposição nos anos iniciais. Dissertação. Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestrado em Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2016.

DIONÍSIO, A. P. Verbetes: um gênero além do dicionário. In: DIONÍSIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; AFONSO, M. E. D. ALMEIDA, P. C. A. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO, 2019.

GONÇALVES, A. V. Projetos de letramento: sequência didática de gêneros como uma alternativa para o ensino da língua. In: GONÇALVES, A. V.;

PINHEIRO, A. S. (Orgs). Nas trilhas do letramento: entre teoria, prática e formação docente. Campinas: Mercado de Letras, 2011.

KLEIMAN, A. B. O processo de aculturação pela escrita: ensino da forma ou aprendizagem da função? In: KLEIMAN, A. B.; SIGNORINI, I. (Orgs.). O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 223- 243.

KLEIMAN, A. B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Revista Signo. Santa Cruz do Sul, v. 32, n. 53, dez, 2007.

MAGALHÃES, T. G.; CRISTOVÃO, V. L. L. Letramento científico, gêneros textuais e ensino de línguas: uma contribuição na perspectiva do interacionismo sociodiscursivo. RAÍDO, v. 12, n. 30 p. 52-72, 2018a.

MAGALHÃES, T. G.; CRISTOVÃO, V. L. L. Sequências e projetos didáticos no Pacto nacional pela Alfabetização na Idade Certa: uma leitura. Campinas, Editora Pontes: 2018b.

MAGALHÃES, T. G.; FONSECA, T. V.; DALAMURA, A. C. S. R. Gêneros textuais e linguagem científica em livros didáticos de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Caminhos em Linguística Aplicada, v. 19, n. 2, p. 68-100, 2018.

MAGALHÃES, T. G.; SILVA, M. C. Os gêneros textuais nos planos de estágio de discentes do curso de Letras – Português: reflexões sobras as dimensões elaboradas. Caminhos em Linguística Aplicada, v. 24, p. 55-79, 2021.

MENDONÇA, M.; BUNZEN, C. Revistas de divulgação científica no ensino médio: múltiplas linguagens. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. Múltiplas linguagens para ao ensino médio. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. p. 177-206.

MORTIMER, E. F; VIEIRA, A, C, F. R; ARAÚJO, A. O. Letramento científico em aulas de química. In: Cultura escrita e letramento. MARINHO, M.;

CARVALHO, G. T. (orgs). Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010. p. 336-362.

OLIVEIRA, L. C.; MAGALHÃES, T. G. Uma análise do Fundo de Apoio à Pesquisa em Educação Básica (FAPEB) na perspectiva do letramento científico. Revista Interfaces, Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná. v. 13, p. 209-227, 2022.

PORSCHE, S. C.; BATTISTI, E.; POZENATO, M. H. M. O gênero verbete no ensino. Anais do V Simpósio Internacional de Gêneros textuais/discursivos. Caxias do Sul, 2009. ROJO, R. Modelização didática e planejamento: duas práticas esquecidas do professor? In: KLEIMAN, A. (org) A formação do professor: perspectivas da Linguística Aplicada. São Paulo: Mercado de Letras, 2001.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação. v.12, n. 36. Brasília, 2007.

SILVA, W. R. Educação científica como abordagem pedagógica e investigativa de resistência. Trabalhos de Linguística Aplicada. Campinas, v. 59, n. 3, p. 2278–2308, 2021.

SILVA, W. R. Educação científica como estratégia pedagógica para formação de professoras. Revista Veredas. UFJF. n. 23, v. 2, 2019.

SILVA, M. L. R. Ensinando português ou educando em língua materna? O impacto da educação linguística na prática docente em Brasília. In: COELHO, L. M. (Org). Língua materna nas séries iniciais do Ensino Fundamental: de concepções e de suas práticas. Petrópolis: Vozes, 2009.

SOARES, M. Práticas de letramento e implicações para a pesquisa e para políticas de alfabetização e letramento. In: MARINHO, M.; CARVALHO, G. T. (Orgs). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo. Parábola Editorial, 2014.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 18. ed. 2011.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Dalamura, A. C. S. R. ., & Magalhães, T. G. . (2022). Construção de uma "bichopédia" nos anos iniciais do Ensino Fundamental: Articulando língua portuguesa e ciências. Raído, 16(40), 72–99. https://doi.org/10.30612/raido.v16i40.16376

Edição

Seção

Formação de professoras de Português na Licenciatura em Pedagogia: olhares da LA