Processos de formação de palavras e sala de aula de língua indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v15i39.14928

Palavras-chave:

Morfologia. Ensino. Língua. Indígena. Metalinguagem.

Resumo

A Educação Escolar Indígena brasileira e seus mais diversos atores têm trilhado caminhos rumo à especificidade, ao respeito e à valorização dos conhecimentos que emanam da própria comunidade. Tem contribuído enormemente para esse cenário a formação de professores indígenas conscientes de seu papel social transformador. No que tange ao Ensino de Línguas em Contexto Indígena, a esse professor se coloca o desafio de atribuir a cada ato de ensino sentidos e ações que lhe permitam potencializar o usuário da língua, ao mesmo tempo em que a coloca em lugar de destaque junto à escola e à comunidade. O presente artigo, com esse cenário, volta-se a processos morfológicos de línguas indígenas como objeto de ensino em que o par forma e sentido deve ser tratado de maneira indissociável com fins à construção de aulas capazes de ultrapassar ações pautadas exclusivamente em metalinguagem. O caminho vislumbrado ao longo do artigo, ao propor tal par, considera a língua em si, mas também seu usuário enquanto indivíduo inserido em um contexto socioeconômico e cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Almir Silva Gomes, Universidade Federal do Amapá

Professor de Linguística no curso de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGLET) da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

Walker Douglas Pincerati, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Professor do curso de Letras Inglês da Universidade Federal Tecnológica do Paraná

Referências

BEARD, R. Derivation. In. SPENCER, A; ZWICKY, A. M. The Handbook of Morphology. Wiley Publishing, 1998, p. 44-65.

BRANDÃO, A. P. A reference grammar of Paresi-Haliti (Arawak). 2014. 457f. Tese (Doutorado em Linguística) – Doutorado em letras: Universidade do Texas, Texas, 2014.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília-DF, 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 5, de 22 de junho de 2012. Brasília: CNE, 2012.

CAMARGO, E. Operadores aspectuais de estado marcando o nome em Wayana (Caribe). Revista LIAMES, v. 8, p. 85-104, 2008.

COSTA, I. O.; BRANDÃO, A. P. B. Neologismo em Paresi-Haliti. Revista Brasileira de Línguas Indígenas – RBLI, v. 2, n. 2, p. 64-77, jul./dez. 2019.

DIXON, R. M. W.; AIKHENVALD, A. Y. Amazonian languages. New York: CUP, 1999.

EPPS, P.; SALANOVA, A. P. The Languages of Amazonia. Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, vol. 11, p. 1-28, 2013. Available at: http://digitalcommons.trinity.edu/tipiti/vol11/iss1/1

EVANS, V. Cognitive Linguistics: A Complete Guide. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2019.

GOMES, A. A. S. Interculturalidade e decolonialidade na educação escolar indígena o papel da língua indígena. In. ______. (Org.). Ensino de Línguas e Educação Escolar Indígena. Macapá-AP; Editora da Universidade Federal do Amapá, 2019, p. 14-29. Disponível em: https://www2.unifap.br/editora/files/2020/08/ensino-de-linguas-e-educacao-indigena.pdf

KAXINAWÁ, J. P. L. Morfologia verbal Kaxinawá. In. SANTOS, G. M. F. dos; OLIVEIRA, R. C; JANUÁRIO, E. (Orgs.). Aprendendo linguística na faculdade indígena. Série Práticas Interculturais. Barra do Bugres, UNEMAT, 2010. p. 133-138.

LANGACKER, R. Cognitive Grammar: a basic introduction. New York: Oxford University Press, 2008.

LANGACKER, R. Foundations of Cognitive Grammar: Theoretical Prerequisites. Stanford: Stanford University Press, 1987.

LIMA, S. A estrutura argumental dos verbos da língua Yudja (Juruna): formação dos verbos e os processos de atribuição e mudança de valência. In. STORTO, L.; FRANCHETTO, B.; LIMA, S. (Orgs). Sintaxe e semântica do verbo em línguas indígenas no Brasil. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014, p. 65-98.

PAULA, A. S. de. A morfologia nas pesquisas sobre línguas indígenas no Brasil. Revista de Estudos Linguísticos e Literários, nº 61, JUL-DEZ, p. 190-204, 2018.

RODRIGUES, A. D. A originalidade das línguas indígenas brasileiras. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 187–195, 2018. DOI: 10.26512/rbla.v9i1.19521. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/ling/article/view/19521. Acesso em: 6 jun. 2021.

SEKI, L. Línguas indígenas do Brasil no limiar do século XXI. Revista Impulso, volume 12, n. 27 (edição sobre os 500 anos do Brasil), p. 233-256, 2000.

STORTO, L. R. Algumas categorias funcionais em Karitiana. In. CABRAL, A. S. A. C.; RODRIGUES, A. D. (Orgs.). Atas do I Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL, TOMO I: Línguas indígenas brasileiras Fonologia, Gramática e História. Belém-PA, Editora Universitária, 2002, p. 151-164.

STUMP, G. T. Inflection. SPENCER, A; ZWICKY, A. M. The Handbook of Morphology. Wiley Publishing, 1998, p. 13-43.

TELLES, S. Construções possessivas em Latundê. In. CABRAL, A. S. A. C.; RODRIGUES, A. D. (Orgs.). Atas do I Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL, TOMO II: Línguas indígenas brasileiras Fonologia, Gramática e História. Belém-PA, Editora Universitária, 2002, p. 157-163.

Downloads

Publicado

21/12/2021

Como Citar

Gomes, A. A. S., & Pincerati, W. D. (2021). Processos de formação de palavras e sala de aula de língua indígena. Raído, 15(39), 140–155. https://doi.org/10.30612/raido.v15i39.14928

Edição

Seção

Estudos do léxico de língua minoritárias