Considerações sobre variação linguística na língua Terena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v15i39.14903

Palavras-chave:

Sociolinguística, Terena, variação linguística, variedades

Resumo

Este artigo procura discutir o fenômeno da variação linguística na língua Terena a partir de pressupostos da Sociolinguística (LABOV, 2008; BAGNO, 2015). A discussão parte de exemplos coletados em três aldeias Terena situadas em dois municípios de Mato Grosso Sul: Aldeias Lagoinha e Bananal (Aquidauana) e Aldeia Cachoeirinha (Miranda) a partir de conversas espontâneas com os residentes. Uma pesquisa nesses moldes se justifica pela importância de compreender que o fenômeno da variação linguística e a existência de variedades linguísticas diferentes dentro de uma mesma língua não é um problema, e sim é um resultado natural da riqueza linguística, cultural e social de seus falantes. Assim, evitam-se conflitos sociolinguísticos entre os falantes dessa língua natural e a perpetuação de preconceito linguístico em relação a uma ou outra comunidade de fala. A partir das entrevistas, verificou-se que nas três aldeias Terena ocorre o fenômeno da variação linguística. Especificamente, encontraram-se exemplos de variação diastrática, decorrente da faixa etária dos falantes de Terena e, internamente, observou-se variação de natureza lexical, isto é, referente a nomes que designam objetos. A partir disso, verificou-se que há também variação linguística na língua Terena, fenômeno orgânico em todas as línguas naturais e, por isso, não há variedade de Terena mais adequada ou mais original, pois todas elas possibilitam a interação entre os falantes dessa comunidade de fala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAGNO, M. Gramática de bolso do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BAGNO, M. Preconceito Linguístico. 56. ed. Revista e ampliada - São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BAKHTIN, M.; VOLOSHINOV, V. N. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1997.

BELIZÁRIO, I. A Variação Linguística Na Aldeia Cachoeirinha – Miranda/MS. Revista Avepalavra, 2015. Disponível em: https://revista.unemat.br/avepalavra/EDICOES/20/Arquivos/BELIZARIO.pdf. Acesso em: 13 abr. 2021.

BITTENCOURT, C. M. F.; LADEIRA, M. E. A história do povo Terena. Brasília: MEC, 2000.

CÂNDIDO, A. Variação Sociolinguística na Língua Terena. Entrevista concedida a autora, Aldeia Lagoinha, Aquidauana, 2021.

CHAMORRO, G.; COMBÈS, I. Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história,

cultura e transformações sociais. Dourados: Ed. UFGD, 2018.

COELHO, I. Sociolinguística. Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2010.

EKDAHL, E. M.; BUTLER, N. E. Explicação da Ortografia Terena. Sociedade internacional de Linguística, 2007. Disponível em: https://www.sil.org/system/files/reapdata/45/48/28/45482897350246225779239022200696799556/TEOrtho.pdf . Acesso em: 12 abr. 2021.

ELOY AMADO, L. H. V. VUKÁPANAVO - O despertar do Povo Terena para os seus Direitos: movimento indígena e confronto político. Tese (doutorado) - Programa de Pós-Graduação

em Antropologia Social. Museu Nacional, UFRJ. 2019. Disponível em: http://apib.info/files/2019/09/Tese-Doutorado-Eloy-Terena.pdf. Acesso em: 07 abr. 2021.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pessoas indígenas, por sexo, segundo o tronco linguístico, a família linguística e a etnia ou povo - Brasil – 2010. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3194#resultado. Acesso em: 03 abr. 2021.

JÚLIO, A. Língua terena: contribuições para sua documentação. 2016. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/lali/PDF/LINGUA%20TERENA%20relat%C3%B3rio%20Aronaldo.pdf . Acesso em: 12 abr. 2021.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARQUES, C. V. Hiyokéxoti Kipâe Yoko Siputerena. TCC (Graduação). Faculdade Santo Augusto /Faisa, 2017.

MOURA, N.; ACÇOLINI, G. Os Terenas em Mato Grosso do Sul. In.: CHAMORRO, G. et al. Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Dourados: Ed. UFGD, 2018.

NINCAO, O. S. Kóho Yoko Hovôvo - O Tuiuiú e o Sapo: identidade, biletramento e política linguística na formação continuada de professores Terena. Tese (doutorado) - Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp. Campinas, 2008.

NINCAO, O. S. A Formação de Escritores Indígenas e a Questão da Variação Linguística na Língua Terena. Revista Língua & Literatura, v.14, n.3, p. 77-96, 2012.

NOAL, M. L.; SILVA, D. Crianças pequenas terena: reencontros ancestrais em tempos de pandemia. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 22, n. Especial, p. 1332-1363, 2020.

OLIVEIRA, L. R; GOMES, N. S. Empréstimos nas Línguas Indígenas: o caso do Terena. Novas Edições Acadêmicas, 2017.

PERINI, M. A. Sobre língua, linguagem e Linguística: uma entrevista com Mário A. Perini. ReVEL. v. 8, n. 14, 2010.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica. Línguas e Letras. v. 8, n.14, 2007, p.13 -20.

RODRIGUES, Z. V. A história da Aldeia Bananal. In.: WENCESLAU M. E. Textos Produzidos Pelos Professores. Campo Grande: Coordenadoria de Métodos e Informática/DGAF/SED, 1996.

RODRIGUES, A. D. Línguas indígenas brasileiras. Brasília, DF: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB, 2013. Disponível em: http://www.laliunb.com.br. Acesso em: 15 abr. 2021.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2004 [1916].

SAPIR, E. The status of Linguistics as a Science. Language, v. 5, p. 207 – 214, 1929.

SEBASTIÃO, L. L. Trajetórias da mulher Terena: do papel tradicional à arena sócio política. Dissertação (mestrado). PUC-SP, 2012.

SILVA, R. E. Atitudes linguísticas na Aldeia de Lagoinha: manter ou apagar a Língua Terena. RELVA, v. 6, n. 1, p. 49-60, 2019.

VALLE, C. R. M. Sabe?/não tem?/entende?: itens de origem verbal em variação como requisitos de apoio discursivo. Dissertação (mestrado) – UFSC, Florianópolis, 2001.

VARGAS, V. L. F. A dimensão sociopolítica do território para os Terena: as aldeias nos séculos XX e XXI. Tese (doutorado) – UFF, Rio de Janeiro, 2011.

Downloads

Publicado

21/12/2021

Como Citar

Teixeira, L. R., de Oliveira, C. P., & Vertelino Marques, K. O. (2021). Considerações sobre variação linguística na língua Terena. Raído, 15(39), 80–100. https://doi.org/10.30612/raido.v15i39.14903

Edição

Seção

Estudos do léxico de língua minoritárias