Aspectos sobre a estrutura morfológica dos nomes em Manxineru (Aruák)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v15i39.14829

Palavras-chave:

Língua indígena Manxineru, Morfologia nominal, Família Aruák.

Resumo

A presente pesquisa tem como objetivo a descrição de aspectos da morfologia Manxineru com foco especial na estrutura dos nomes e a relação deles com outras classes de palavras. A língua Manxineru conta com aproximadamente 1.106 falantes, que vivem em 12 aldeias na Terra Indígena Mamoadate, localizada no sudoeste do estado do Acre, Brasil. Para este trabalho, foi de fundamental importância a colaboração de três falantes nativos da língua Manxineru, que proporcionaram a construção e revisão de um banco de dados, que contém mais de 1700 itens lexicais. Com esses dados, foi possível, na perspectiva da linguística descritiva, elaborar o presente artigo, tendo como suporte teórico trabalhos de Couto (2012) e (2016), Hanson (2010), Matteson (1954), Ramirez (2001), Rodrigues (2002) entre outros. Para este artigo, foi possível descrever algumas características da morfologia dos nomes do Manxineru, como, por exemplo, a existência de marcador de aspecto e de gênero nos nomes; a obrigatoriedade da concordância de gênero entre nomes e adjetivo; a presença de um mediador de posse; além de verificarmos alguns dos fenômenos característicos das línguas Aruák, que são a distinção entre nomes absolutos e nomes relativos e a presença produtiva dos prefixos possessivos e pessoais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Pereira Couto, Universidade Federal de Rondônia

Doutor em Linguística pela UnB (2016), Mestre em Linguística pela UnB (2012), Especialista em Gramática pela ICSH (2007). Tem experiência na área de Letras com ênfase em estudos em línguas indígenas, fonética e fonologia, Fonética experimental, morfofonologia, sintaxe, morfologia, linguística, gramática, educação a distância, produção de texto, educação indígena e orientação de TCC. Tem 13 anos de docência no ensino superior, atuando tanto na graduação como na pós-graduação e na coordenação de cursos. Instituições em que já trabalhou: FacGama (2007), UniBrasília (2007), Universidade Estadual de Goiás - UEG (2008); Fajesu (2010); Michelangelo (2009); Alvorada (2009); Fortium (2012); Anhanguera 2012 e Universidade de Brasília - UnB (2010-2015). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Rondônia - UNIR. É coordenador do Laboratório de Línguas e Culturas Indígenas da Unir do campus de Ji-Paraná e coordenador do Saberes Indígenas na Escola da rede UNIR-UFAC, sendo também pesquisador de línguas indígenas brasileiras do Laboratório de Línguas e Literaturas Indígenas da UnB.

Referências

AIKHENVALD, Alexandra Y. The Arawak language family of The Amazonian languages. Cambridge: Cambridge University Press. 1999b, p. 65–106.

AIKHENVALD, Alexandra Y. DIXON, R. M. W. (Org.). The Amazon languages. Cambridge: Cambridge University Press, 1999a, p. 107 – 124.

CABRAL, A. S. A. C.; MANXINERY, L. A.; COUTO, F. P. ; MANCHINERI, M. S. Bases culturais para atribuição de gênero em Manxineru. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, v. 7, p. 321-341, 2015.

CAMPBELL, Lyle. Typological characteristics of South American indigenous languages. In: The indigenous languages of South America: a comprehensive guide. Berlin/Boston: Radboud University Nijmegen, 2012.

CAMPBELL, Lyle; GRANDONA, Verónica. The indigenous languages of South America: a comprehensive guide. Berlin/Boston: Radboud University Nijmegen, 2012.

CLARK, Eve V. Morphology and Language Acquisition. In: The Handbook of Morphology. SPENCER, Andrew; ZWICKY, Arnold (org.). Stanford University and Ohio State University, 2007. p. 259-328.

COSERIU, E. Sobre las categorías verbales (partes de la oración). Revista de Linguística Aplicada. Concepción, 1972. p.7-25.

COUTO, Fábio Pereira. Contribuições para a Fonética e fonológica da língua Manxineru (Aruák). Dissertação (Mestrado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília, 2012, 128 p.

COUTO, Fábio Pereira. Conexões entre processos morfofonológicos e acento em Manxineru: a variedade Yine (família Aruák) falada no Brasil. Tese (Doutorado em Linguística). Brasília: UnB, 2016, 368 p.

HANSON, M. A Rebecca. A Grammar of Yine(Piro). Bundoora, Victoria, Australia: 2010. [Tese de Doutorado]. pp. 382.

KIEFER, Ferenc. Morphology and Pragmatics. In: The Handbook of Morphology. SPENCER, Andrew; ZWICKY, Arnold (org.). Stanford University and Ohio State University, 2007.

MATTESON, Esther. Piro phonemes and morphology. 11. Berkeley: Kroeber Anthropological Society Papers, 1954.

RAMIREZ, Henri. Línguas Arawak da Amazônia Setentrional: comparação e descrição. Manaus, Universidade do Amazonas, 2001.

Downloads

Publicado

21/12/2021

Como Citar

Couto, F. P. (2021). Aspectos sobre a estrutura morfológica dos nomes em Manxineru (Aruák). Raído, 15(39), 27–44. https://doi.org/10.30612/raido.v15i39.14829

Edição

Seção

Estudos do léxico de língua minoritárias