Revivendo a escuta e a esperança

Reflexões à ação pedagógica na EJA desde a educação ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v13i00.9620

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Educação de Jovens e Adultos, Educação Popular

Resumo

O presente texto constitui um ensaio teórico que busca evidenciar um exercício reflexivo de aproximação político-pedagógica entre a educação de jovens e adultos (EJA) e a educação ambiental (EA), questionando, quais são as contribuições do campo da EA para a práxis pedagógica da EJA? Para isso, a leitura dialógica de referenciais que dialogam com a EA e a EJA em sua historicidade e práxis é essencial. Através deste estudo, foi possível refletir e compreender a importância das contribuições do campo da educação ambiental para a constituição de uma práxis na educação de jovens e adultos que reconheça as bases de uma educação popular problematizadora e emancipadora, voltada para homens e mulheres e consciente da responsabilidade compartilhada pelo cuidado com a vida planetária de todos, humanos e não humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Cougo de Cougo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor Associado, Câmpus do Pantanal (CPAN/UFMS).

Cleuza Maria Sobral Dias, Universidade Federal do Rio Grande

Professora Titular, Instituto de Educação (IE/FURG).

Referências

ARROYO, M. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão. Alfabetização e Cidadania, n. 11, abr. 2001.

BARRETO, S. das N. O processo de alfabetização no MOVA-RS: Narrativas e significados na vida de mulheres. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) – Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, 2005.

BRANDÃO, C. R. O vôo da arara-azul: escritas sobre a vida, a cultura e a educação ambiental. Campinas, SP: Armazém do Ipê, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Parecer CNE/CEB 11/2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF: MEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 13.632 de 06 de março de 2018. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para dispor sobre educação e aprendizagem ao longo da vida. Brasília, DF: MEC, 2018a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/l13632.htm. Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Educação ambiental por um Brasil sustentável: ProNEA, marcos legais e normativos. Brasília, DF: MMA, 2018b. Disponível em: http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000249841.PDF. Acesso em: 10 mar. 2019.

CARVALHO, K. R. S. A. et al. Trajetória, avanços e perspectivas da EJA face à BNCC. Educação em Revista, v. 21, n. 2, p. 51–64, 2020. DOI: 10.36311/2236-5192.2020.v21n02.05.p51. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/educacaoemrevista/article/view/10008. Acesso em: 14 maio 2023.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GADOTTI, M. Educação Popular e Educação ao Longo da Vida. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Coletânea de textos CONFINTEA Brasil+6: tema central e oficinas temáticas. Brasília, DF: MEC, SECADI, 2016. Disponível em: http://confinteabrasilmais6.mec.gov.br/images/documentos/coletanea_textos.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação. Número 14, p. 108-130, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a07.pdf. Acesso em: 22 fev. 2019.

LAYRARGUES, P. P. Pandemias, colapso climático, antiecologismo: educação ambiental entre as emergências de um ecocídio apocalíptico. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 15, n. 4, p. 1–30, 2020. DOI: 10.34024/revbea.2020.v15.10861. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea/article/view/10861. Acesso em: 15 maio. 2023.

LIMA, G. Educação Ambiental no Brasil: formação, identidades e desafios. Campinas, SP: Papirus, 2011.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

MOTA NETO, J. C.; STRECK, D. R. Fontes da educação popular na América Latina: contribuições para uma genealogia de um pensar pedagógico decolonial. Educar em Revista, Curitiba, v. 35, n. 78, p. 207-223, nov./dez. 2019. DOI: 10.1590/0104-4060.65353. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/Y3SNBNzjzkW9QxCQLp7PW6b/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 maio 2023.

NEPOMUCENO, A. L. de O. et al. O não lugar da formação ambiental na Educação Básica: reflexões à luz da BNCC e da BNC-Formação. Educação em Revista, v. 37, n. 1, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/edrevista/article/view/26552. Acesso em: 15 maio. 2023.

PAIVA, V. História da Educação Popular no Brasil: educação popular e educação de adultos. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

PAIVA, J. Os sentidos do direito à educação de jovens e adultos. Petrópolis, RJ: DP et Alii; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2009.

PALUDO, C. Educação popular em busca de alternativas: uma leitura desde o campo democrático popular. Porto Alegre: Tomo Editorial; Camp 2001.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. 10. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

RAMIL, V. Loucos de Cara. Rio de Janeiro: EMI, 1987. CD (6:37 min)

SAUVÉ, L.; ORELLANA, I. A Formação Continuada de Professores em Educação Ambiental: a proposta do EDAMAZ. In: SANTOS, J.; SATO, M. A contribuição da educação ambiental à esperança de Pandora. 3. ed. São Carlos, SP: RiMa, 2001, 2003, 2006.

SILVA, J. L. da. A (QUASE) invisibilidade da Educação de Jovens e Adultos na Política Nacional de Alfabetização: marginalização e luta pelo direito à educação. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 10, n. 2, p. 716-732, maio/ago. 2021. DOI: 10.14393/REPOD-v10n2a2021-60074. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/60074. Acesso em: 14 maio 2023.

SOARES, L.; GALVÃO, A. Uma história da alfabetização de adultos no Brasil. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M. (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol. III: século XX. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL. Rio de Janeiro: Fórum Internacional das ONG’s, 1992. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf. Acesso em: 16 maio 2023.

VENTURA, J. P.; OLIVEIRA, F. G. A travessia “do EJA” ao Encceja: Será o mercado da educação não formal o novo rumo da EJA no Brasil?. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, v. 3, n. 5, p. 80–97, 2020. Disponível em: https://itacarezinho.uneb.br/index.php/rieja/article/view/9427. Acesso em: 15 maio. 2023.

Publicado

2023-05-30

Como Citar

DE COUGO, Alexandre Cougo; SOBRAL DIAS, Cleuza Maria. Revivendo a escuta e a esperança: Reflexões à ação pedagógica na EJA desde a educação ambiental. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 13, n. 00, p. e023010, 2023. DOI: 10.30612/eduf.v13i00.9620. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/educacao/article/view/9620. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua