Da ontologia à ecosofia do turismo

Amorosidade e (Auto)transpoiese para o Turismo-Trama do Mundo N’ovo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v13i00.17779

Palavras-chave:

Turismo-Trama, Ecosofia, Amorosidade, (Auto)Transpoies, Mundo N’Ovo

Resumo

O ensaio apresenta reflexões sobre a urgência de desenvolvimento epistemológico-teórico-prático de uma Ecosofia do Turismo, diante das demandas contemporâneas no cenário de caosmose de guerras múltiplas, pandemias, colapso climático e desafios de superação do Antropoceno. A fundamentação teórica é transdisciplinar e holística, envolvendo Epistemologia da Ciência e do Turismo, na composição de Ecossistemas Turístico-Comunicacionais-Subjetivos; Complexidade, Ecologia dos Saberes e Ecologia; Biologia Amorosa, do Conhecimento e Cultural. As estratégias metodológicas da Cartografia dos Saberes e das Matrizes Rizomáticas são processuais, complexas e plurimetodológicas no plano operacional, envolvendo dimensões: epistemológica, teórica, metódica e técnica. O texto traz, como resultados, reflexões sobre o Turismo e sua deriva histórica. Entre o funcionalismo pragmático desenvolvimentista e o acirramento da crítica do caráter capitalístico, a Ecosofia do Turismo pode nos ajudar a encontrar sinalizadores para o Turismo-Trama – o Turismo em sua dimensão complexa, ecossistêmica, holística – para o Mundo N’Ovo, o Mundo que precisamos ajudar a construir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luiza Cardinale Baptista, Universidade de Caxias do Sul

Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade da Universidade de Caxias do Sul. Coordenadora do Amorcomtur! Grupo de Estudos e Produção em Comunicação, Turismo, Amorosidade e Autopoiese (CNPq-UCS). Doutorado em Ciências (ECA-USP) Estágio Pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura do Amazonas (PPGSCA-UFAM).

 

Referências

ALVES, R. Por uma educação romântica. Campinas, SP: Papirus Editora, 2002.

BAPTISTA, M. L. C. “Com-versar” Amocomtur - lugares e sujeitos! Narrativas transversais sensíveis, envolvendo sujeitos em processo de desterritorialização - Brasil, Espanha, Portugal, Itália, México, Colômbia, Egito, Arábia Saudita e Índia. Projeto de pesquisa vinculado ao Programa de Pós Graduação em Turismo e Hospitalidade - PPGTURH, Universidade de Caxias do Sul-UCS, 2018.

BAPTISTA, M. L. C. ‘Stamos em Pleno Mar’! Reflexões sobre tempos de pandemia Covid-19, considerando a trama de ecossistemas turístico-comunicacionais-subjetivos. Cenário: Revista Interdisciplinar em Turismo e Território, [S. l.], v. 8, n. 15, p. 7–22, 2020. DOI: 10.26512/revistacenario.v8i15.32698. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistacenario/article/view/32698. Acesso em: 15 nov. 2023.

BAPTISTA, M. L. C. et al. Por um Mundo mais Amoroso e Autopoiético! Reflexões AMORCOMTUR! Durante a Pandemia COVID 19. Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, Caxias do Sul, v. 12, n, 3, p. 1-23, 2020. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/8690. Acesso em: 16 jul. 2020.

BAPTISTA, M. L. C. Amorosidade, autopoiese e ‘com-versações’: a potência dos ‘entrelaços nós’ na educação e na ciência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2358–2378, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.15676. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15676. Acesso em: 15 nov. 2023

BAPTISTA, M. L. C. (Auto)Transpoiese em Narrativas de Viagens. A transmutação subjetiva e ecossistêmica na reinvenção de universos existenciais em movimento. In: SOSTER, D. A.; PASSOS, M. Y. (org.) Narrativas de Viagem 2/Travel Narratives 2: Percursos que transformam. Santa Cruz do Sul, RS: Catarse editora, 2022.

BARTHES, R. Fragmentos do discurso amoroso. Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves, 1986.

COLFERAI, S. Um Jeito Amazônida de ser Mundo. A Amazônia como Metáfora do Ecossistema Comunicacional: Uma Leitura do Conceito a Partir da Região. Orientador: Gilson Vieira Monteiro. 2014. 226 f. Tese (Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia) – Instituto de Ciências Humanas e Socias, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, 2014.

CAPRA, F. O ponto de mutação. São Paulo, SP: Cultrix, 1991.

CAPRA, F.; LUISI, P. L. Visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. São Paulo, SP: Editora Cultrix, 2014.

CREMA, R. Introdução à visão holística. São Paulo, SP: Summus, 1989.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia (1972). Lisboa, PT: Assírio & Alvim, 2004.

DREXLER, J. Movimento. [S. l.]: Warner Music Spain, 2017. Disponível em:https://www.letras.mus.br/jorge- drexler/movimiento/traducao.html. Acesso em: 15 nov. 2023

FARIAS, E. S. A canção na Amazônia e a Amazônia na canção. Orientador: Gilson Vieira Monteiro. 2017. 314 f. Tese (Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia) – Instituto de Ciências Humanas e Socias, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra, 1996.

GOSWAMI, A. O universo autoconsciente: como a consciência cria o mundo material. São Paulo, SP: Aleph, 2008.

GUATTARI, F. As três ecologias. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 1981.

GUATTARI, F. Caosmose. Um Novo Paradigma Ético-Estético. Rio de Janeiro, RJ: Ed. 34, 1992.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo, SP: Loyola, 2005.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo, SP: Loyola, 2008.

KRENAK, A. O Amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letra, 2020.

MATURANA, H. Ontología del conversar. Revista Terapia Psicológica, Santiago, v. 10, p. 1-16, 1988. Disponivel em: https://repositorioslatinoamericanos.uchile.cl/handle/2250/1371614. Acesso em: 15 nov. 2023

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte, BH: UFMG, 1998.

MATURANA, H. Entrevista Humberto Maturana. [Entrevista concedida a] SACRAMENTO, M. H.; VIEIRA, A. J. H. Revista Humanitates, Brasília, v. 1, 2, 2004.

MATURANA, R. H; VARELA, G. F. J. De máquinas e seres vivos: autopoiese e a organização do vivo. 3. ed. Porto Alegre, Artes Médicas, 1997.

MATURANA, H; D'AVILA, X. El árbol del vivir. [S. l.]: Escuela Matríztica, 2015.

MORIN, E. Amor, poesia e sabedoria. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, E. É hora de mudarmos de via: as lições do coronavírus. Rio de Janeiro, RJ: Ed. Bertrand Brasil, 2020.

NARDY, R.; DI FELICE, M. Narrativa sobre a crise do antropoceno e o novo estado da terra em uma perspectiva reticular. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 44., 2021. Anais [...]. [S. l.]: Intercom, 2021. p. 1-14. Disponível em: https://www.eca.usp.br/acervo/producao-academica/003073549.pdf. Acesso em 15 nov. 2023

ORIGEM DA PALAVRA. Etimologia da palavra “Turismo”. 2023. Disponível em: https://origemdapalavra.com.br/pergunta/origem-da-palavra-viagem/ Acesso em 15 nov. 2023

PRIGOGINE, I. Ciência razão e paixão. Belém, PA: Eduepa, 2001.

RABAÇA, C. A; BARBOSA, G. G. Dicionário de comunicação. São Paulo, SP: Ática, 1987.

RESTREPO, L. C. O direito à ternura. Petrópolis, RJ: Voze, 1998.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra, PT: Almedina, 2020.

STENGERS, I. No tempo das catástrofes: resistir à barbárie que se aproxima. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Publicado

2023-12-20

Como Citar

BAPTISTA, Maria Luiza Cardinale. Da ontologia à ecosofia do turismo: Amorosidade e (Auto)transpoiese para o Turismo-Trama do Mundo N’ovo. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 13, n. 00, p. e023014, 2023. DOI: 10.30612/eduf.v13i00.17779. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/educacao/article/view/17779. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua