Experiência, trabalho e modos de vida

Para um debate sobre territórios de povos e comunidades tradicionais e processos de luta e resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v13i00.16859

Palavras-chave:

Território, Experiência, Comunidades tradicionais, Trabalho, Modos de vida

Resumo

Problematizamos a categoria experiência na definição dos territórios de povos e comunidades tradicionais, considerando seus modos de vida, lutas e resistências necessários para o processo de suas existências, em oposição ao modo de produção capitalista. Trata-se de investigação com abordagem qualitativa, por meio de pesquisa bibliográfica, dando condições para entender de forma crítica, interpretativa e analítica condicionantes da relação humana, no interior das contradições capital e trabalho, sobre modos de vida de povos e comunidades tradicionais. Inferimos que as experiências vividas e compartilhadas por sujeitos no contexto de comunidades e povos tradicionais expressam formas de luta e resistência contra sociabilidades, as quais intensificam desigualdades sociais e individualizam relações. Atestamos, por conseguinte, que a experiência pressupõe modos de vida, constituindo identidade peculiar e decorrente do território habitado, permitindo a homens e mulheres, mediados pela consciência social, refletirem sobre sua realidade e buscarem estratégias para modificá-la ou mantê-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Isabel Batista Rodrigues , Universidade Federal do Pará (UFPA), Cametá – PA – Brasil

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (PGEDA/UFPA). Membra do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação (GEPTE/UFPA). Bolsista FAPESPA/UFPA.

Gilmar Pereira da Silva, Universidade Federal do Pará (UFPA), Cametá – PA – Brasil

Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação (GEPTE/UFPA). Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (PGEDA/UFPA) e no Programa de Pós-Graduação em Educação e Cultura (PPGEDUC/UFPA).

Referências

ANJOS, R. S. A. Quilombos: Geografia Africana, Cartografia, Étnica, Territórios Tradicionais. Brasília, DF: Mapas Editora e Consultoria, 2009.

ANJOS, R. S. A. Milton Santos, Território e Fotografia - Aproximações. Revista Eletrônica: Tempo - Técnica - Território, v. 2, n. 1, 2011.

BRAGA, R. M. Território, rede e multiterritorialidade: Uma abordagem conceitual a partir das corporações. Revista Geografias, Belo Horizonte, v. 06, n. 2, p. 26-36, jul./dez. 2010.

BRASIL. Ministério da Cultura. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Casa Civil da Presidência da República. Decreto n. 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do ato ds disposições constitucionais transitórias. Brasília, DF: MinC, MDA, CC-PR, 2003. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm. Acesso em: 10 dez. 2022.

CRUZ, V. C. Povos e Comunidades tradicionais. In: CALDART, R. S. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.

FARIAS, E.; SOUZA, V. L. T. Sobre o conceito de identidade: apropriações em estudos sobre formação de professores. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 15, n. 1, jan./jun. 2011.

FERNANDES, S. Prefácio. In: SAITO, K. O Ecossocialismo de Karl Marx. São Paulo: Boitempo, 2021.

FISCHER, M. C. B.; CORDEIRO, B.; TIRIBA, L. Relações seres humano/natureza e saberes do trabalho associado: premissas político-epistemológica. In: ALVES, A. E. S.; TIRIBA, L. (org.). Cios da terra: sobre trabalho, cultura, produção de saberes e educação do campo. Uberlândia, MG: Navegando Publicações, 2022.

FISCHER, M. C. B.; RODRIGUES, D. S. Relações seres humanos-natureza: trabalho, cultura e produção de saberes. Trabalho Necessário, v. 20, n. 43, p. 01-26, set./dez. 2022.

FRIGOTTO, G. Condepções e mudanças no mundo do trabalho e o Ensino Médio. Centro de Educação Tecnológica do Estado da Bahia, 2008.

GARCIA, R. Fiscalização sempre. Correio Braziliense, 2023. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/opiniao/2023/02/5074914-artigo-fiscalizacao-sempre.html. Acesso em: 28 fev. 2023.

HAESBAERT, R. Territórios Alternativos. Niterói: EdUFF, São Paulo. Contexto, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. 2021. Disponível em: https://cidades.ibge,gov.br. Acesso em: 10 dez. 2022.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro, 1976.

MANZOLLI, B. et al. Legalidade da produção de ouro no Brasil. Belo Horizonte: Editora IGC/UFMG, 2021. Disponível em: http://www.lagesa.org/wp-content/uploads/documents/Manzolli_Rajao_21_Ilegalidade%20cadeia%20do%20Ouro.pdf. Acesso em: 28 fev. 2023.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MÉSZÁROS, I. Para além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2006.

MIRANDA, E. R. S.; RODRIGUES, D. S. Saberes e (re) construção de identidades na contradição trabalho-capital: a experiência de uma comunidade quilombola na/da Amazônia. In: IORIS, A. A. R.; JOANONI NETO, V. (org.). Fronteiras do desenvolvimento na Amazônia: agriculturas, histórias contestadas, novas alteridades. 1. ed. Curitiba: Appris, 2021.

MOURÃO, A. R. B.; UCHÔA, I. C.; BORGES, H. S. A materialidade do trabalho em territórios das águas, terras e florestas da amazônia. Trabalhonecessário, v. 18, n. 37, set./dez. 2020.

NETTO, S. L. F. V. Cultura Política e movimentos sociais latino americanos: Os casos do EZLN e do MST. In: PITTA, F. T. et al. (org.). Terrorismo de Estado, Direitos Humanos e Movimentos Sociais. São Paulo: Editora Entremares, 2017.

NODA, S. N. Agricultura familiar na Amazônia das águas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007.

OLIVEIRA, A. L.; TRINDADE, E. Apontamentos Acerca da Subjetividade e dos Processos de Subjetivação no Mundo Contemporâneo e Suas Repercussões na Clínica Psicoterápica. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 7, n. 1, p. 30-38, jan./jun. 2015.

OS POVOS DA FLORESTA. Instituto Sociedade, População e Natureza, [2019?]. Disponível em: https://ispn.org.br/biomas/amazonia/povos-e-comunidades-tradicionais-da-amazonia/. Acesso em: 27 fev. 2023.

PICANÇO, C. A. S. Análise do modo de vida dos quilombolas coletores tradicionais de castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa H. B. K) da Reserva Biológica do Rio Trombetas, Oriximiná, Pará, Brasil. 2019. 265 f. Dissertação (Mestrado em em Gestão de Áreas Protegidas da Amazônia – MPGAP) - Programa de Pós-Graduação em Gestão Deáreas Protegidas na Amazônia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA, Manaus, AM, 2019.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

ROCHA, I. A.; SANTOS, M. A. “O conceito de território quilombola a partir de uma imbricação de identidade étnico-territoriaL”. Fênix - Revista de História e Estudos Culturais, v. 14, n. 2, dez. 2017.

RODRIGUES. D. S.; CASTRO, O. L. M. Tecnologias de produção da vida: saberes do trabalho da pesca em comunidades ribeirinhas. In: ALVES, A. E. S.; TIRIBA, L. (org.). Cios da terra: Sobre trabalho, cultura, produção de saberes e educação do campo. Uberlândia, MG: Navegando Publicações, 2022.

SANTOS, M. O retorno do territorio. OSA: Observatorio Social de América Latina, Buenos Aires, v. 6, n. 16, 2005.

SAVIANI, D. O nó do ensino de 2º grau. Bimestre. São Paulo: MEC/INEP; CENAFOR, 1986. n. 1.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo, SP: Cortez, 2007.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis, SC: UFSC, 2005.

SILVA, L. B. Comunidades tradicionais no Brasil: o processo de reconhecimento étnico e territorial. Revista de Geografia, Recife, v. 33, n. 1, 2016.

SOUZA, L. B.; CHAVEIRO, E. F. Território, ambiente e modos de vida: conflitos entre o agronegócio e a Comunidade Quilombola de Morro de São João, Tocantins. Soc. Nat., Uberlândia, v.31, p. 1-26, 2019.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: Uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

THOMPSON, E. P. Tradición, revuelta y consciência de clase. Barcelona: Editorial Grijalbo, 1984.

THOMPSON, E. P. A formação da Classe Operária Inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2001.

TIRIBA, L. Reprodução ampliada da vida: O que ela não é, parece ser e pode vir a ser. Otra Economía, v. 11, n. 20, p. 74-87, jul./dic. 2018.

TIRIBA, L.; FISCHER, M. C. B. Espaços/tempos milenares dos povos e comunidades tradicionais: notas de pesquisa sobre economia, cultura e produção de saberes. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 24, n. 56, maio/ago. 2015.

TIRIBA, L.; SOUZA, W. K. A. Cultura do trabalho, educação e produção da existência: entre quilombos, castanheiros e seringueiros. In: IORIS, A. A. R.; JOANONI NETO, V. (org.). Fronteiras do desenvolvimento na Amazônia: agriculturas, histórias contestadas, novas alteridades. 1. ed. Curitiba: Appris, 2021.

VASCONCELOS, M. E. O.; ALBARADO, E. C. Educação, formação docente e territorialidades amazônicas. Revista Espaço Acadêmico, v. 20, n. 223, jul./ago. 2020.

VENDRAMINI, C. R.; TIRIBA, L. Classe, cultura e experiência na obra de E. P. Thompson: contribuições para a pesquisa em educação. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, 34., 2011, Natal. Anais [...]. Natal: ANPEd, 2011.

Publicado

2023-01-01

Como Citar

RODRIGUES , Maria Isabel Batista; SILVA, Gilmar Pereira da. Experiência, trabalho e modos de vida: Para um debate sobre territórios de povos e comunidades tradicionais e processos de luta e resistência. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 13, n. 00, p. e023002, 2023. DOI: 10.30612/eduf.v13i00.16859. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/educacao/article/view/16859. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua