Adaptação do conteúdo informativo do Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema (PEVRI) para a língua Tupi-Guarani

Ana Lucia Rossate, Fábio Vogado, Rick Maurício Ribeiro dos Santos, Ana Paula Lemke, Emerson Machado de Carvalho

Resumo


As populações indígenas do Brasil são desvalorizadas, mesmo tendo grande participação nos avanços tecnológicos e científicos, dessa forma, surge a necessidade de se levar à essas populações todo o conhecimento elaborado na academia. O nosso objetivo pcom esse estudo foi propor uma tradução/adaptação ou releitura do material de divulgação do Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema para a língua Tupi-Guarani. O presente estudo refere-se a uma atividade de pesquisa e extensão etnográfica qualitativa, no qual utilizamos um material de divulgação ambiental do PEVRI e adaptá-lo e descrevê-lo à língua Tupi-Guarani. A tradução/adaptação e releitura do material informativo ficou sob a responsabilidade dos acadêmicos do curso de Gestão Ambiental/UFGD. A adaptação do conteúdo informativo do PEVRI foi uma importante prática pedagógica para dialogar com os aspectos históricos e culturais da língua Tupi-Guarani. Através desse processo também foi possível transitar entre as duas línguas, no modo de pensar e ver o mundo a sua volta.

Palavras-chave


População indígena. Etnografia. Releitura.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, G. B.; MOSER, A.; AFONSO, Y. B. Cosmovisão Guarani e sustentabilidade. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 8, n. 4, p. 180-193, 2015.

ALCÂNTARA, M. L. B. Jovens indígenas e lugares de pertencimentos: análise dos jovens indígenas da Reserva de Dourados/MS. São Paulo: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Núcleo Interdisciplinar do Imaginário e Memória. Laboratório de Estudos do Imaginário, 2007.

ASSUMPÇÃO, M. Z. Morfologia vegetal em Tupi-Guarani. SURES, n. 3, p. 1-14, 2014.

GÁRCES, F. Las políticas del conocimiento y la colonialidad linguística y epistêmica. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (eds.). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. 21 ed. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, p. 217-242, 2007.

IMASUL. Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul. Plano de manejo do Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema. Campo Grande: CESP – Companhia Energética de São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v5i10.8619

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.