Espaços de produção das estatísticas de educação: algumas possibilidades da teoria dos campos na investigação histórica

Natália Lacerda Gil

Resumo


Este artigo resulta de pesquisa histórica e parte do exame da documentação oficial produzida por órgãos do governo central responsáveis pela produção de estatísticas do ensino para trazer à discussão análises para as quais o conceito bourdieusiano de campo mostrou-se útil. O estudo examina a organização da Diretoria Geral de Estatística na virada do século XIX-XX e publicações do Serviço de Estatística de Educação e Saúde das décadas de 1930 e 1940. A circulação dos agentes em diferentes campos permitiu compreender algumas das inconsistências e ambiguidades dos discursos investigados. Além disso, o entendimento de que o campo burocrático seja um campo relativamente autônomo com relação ao campo político ressaltou a continuidade dos trabalhos estatísticos mesmo em momentos de fortes instabilidades políticas.

Palavras-chave


Educação. Estatísticas do ensino. Conceito de Campo.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. Algumas propriedades dos campos. Questões de sociologia. São Paulo: Marco Zero, 1980. p. 89-94.

______. O campo intelectual: um mundo à parte. Coisas ditas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990. p.169-180.

______. A força da representação. A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1998a.

______. Descrever e prescrever: as condições e os limites da eficácia política. A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1998b. p.117- 126.

______. O poder simbólico. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004a.

______. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora da Unesp, 2004b.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. 2. ed., Lisboa: Difel, 2002.

DIRECTORIA GERAL DE ESTATISTICA. Relatorio e trabalhos estatisticos

apresentados ao Illm. e Exm. Sr. Conselheiro Dr. João Alfredo Corrêa de Oliveira, Ministro e Secretario d’Estado dos Negocios do Imperio, pelo Diretor Geral interino Dr. José Maria do Coutto. Rio de Janeiro: Typographia do Hyppolito José Pinto, 1873.

______. Relatório apresentado ao Ministro da Industria, Viação e Obras Publicas pelo Director Geral (1902 – XIV da República). Rio de Janeiro: Officina da Estatistica, 1902. [Refere-se a 1901 e não a 1902 como aparece na capa]

______. Relatório apresentado ao Dr. Miguel Calmon du Pin e Almeida, Ministro da Industria, Viação e Obras Publicas, pelo Dr. José Luiz S. de Bulhões Carvalho, Director Geral de Estatistica. Rio de Janeiro: Typographia da Estatística, 1908.

FAUSTO, Bóris, Pequenos Ensaios de História da República, Cadernos Cebrap, n.10, 1972.

______. História do Brasil. 8.ed. São Paulo : EDUSP/FDE, 2000.

FOUCAULT, Michel. Sécurité, territoire, population. Dits et écrits (1976-1979). Paris: Gallimard. 1978. v.III, p.719-723.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SAÚDE. O ensino no Brasil em 1934. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1940.

______. O ensino no Brasil em 1935. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1941.

______. O ensino no Brasil em 1936. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1942.

______. O ensino no Brasil em 1937. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1943.

SENRA, Nelson de Castro. História das Estatísticas Brasileiras (1822-2002). Rio de Janeiro: IBGE, 2006a. v.1: Estatísticas Desejadas (1822 – c.1889).

______. História das Estatísticas Brasileiras (1822-2002). Rio de Janeiro: IBGE, 2006b. v.2: Estatísticas Legalizadas (c.1889 – c.1936).

______. História das Estatísticas Brasileiras (1822-2002). Rio de Janeiro: IBGE, 2008. v.3: Estatísticas Organizadas (c.1936 – c.1972).

______.História das Estatísticas Brasileiras (1822-2002). Rio de Janeiro: IBGE, 2009. v.4: Estatísticas Formalizadas (c.1972 – 2002).




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.