Qualidade na perspectiva das políticas educacionais: significados e paradoxos

Maria das Graças Martins da Silva, Nayara Lucas Dias de Menezes Conrado, Jackeline Nascimento Noronha da Luz

Resumo


O texto discute o termo qualidade, tomando por base o exame de documentos definidores de políticas públicas no Brasil - com foco no campo educacional - segundo as décadas de 1980, 1990 e 2000. Observa-se que a qualidade associa-se a termos como padrão mínimo e melhoria, o que pode indicar um distanciamento do trato relacionado às causas dos crônicos problemas da educação. Já a noção de índices, figurando como eixo da avaliação, projeta o quantitativo, limitando a qualidade a números, o que remete ao sentido mercantil originário do começo do século XIX. Conclui-se que, na análise da qualidade nas políticas educacionais, além de indicadores e metas, é preciso considerar objetivos e meios/recursos das ações.

Palavras-chave


Qualidade. Políticas educacionais. Legislação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. Z. M. de. SINAES em Mato Grosso do Sul e a Regulação do

Estado Brasileiro: os Limites do Estado-Nação. 2009. 310f. Tese

(doutorado) – Centro de Ciências Humanas e Sociais. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível

em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3% A7ao.htm Acesso em: 13 jul. 2007.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/leis/L9394.htm Acesso em: 11 jun.

______. Ministério da Educação Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001.

Plano Nacional de Educação. Brasília, DF, 9 jan. 2001. Disponível em:

http://www.mec.gov.br Acesso em: 16 out. 2006.

______. Ministério da Educação Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Disponível em: http//Sinaes. inep.gov.br/sinaes. Acesso em: 16 de jul. 2009.

______. Ministério da Educação. Comissão Nacional de Avaliação da

Educação Superior (CONAES). SINAES – Orientações Gerais para o

Roteiro da Auto-Avaliação das Instituições. Brasília - DF: INEP, 2004.

CURY, C. R. J.; HORTA, J. S. B.; FÁVERO, O. A relação educação-sociedade-estado pela mediação jurídico-constitucional. In: FAVERO, O.

(org.). A educação nas constituintes brasileiras 1823-1988. Campinas:

Autores Associados, 1996, p. 5-30.

DIAS SOBRINHO, J. Qualidade, avaliação: do SINAES a índices.

Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas),

Sorocaba, v. 13, n. 3, p. 817-825, nov. 2008.

ENGUITA, M. F. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. In:

GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. (orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e

educação. Petrópolis: Vozes, 1996, p. 95-110.

FREITAS, L. C. Ciclos, seriação e avaliação. Confronto de lógicas. São

Paulo: Moderna, 2003.

GENTILI, P. A. A. O discurso da “qualidade” como nova retórica

conservadora no campo educacional. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T.(orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Petrópolis: Vozes,

, p. 113-177

GUIMARÃES, S. M. Qualidade total. In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN,

L. (orgs.). Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: Ed. UFRGS,

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola: 1989.

HOLZMANN, L.; CATTANI, A. D. Taylorismo. In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (orgs.). Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto

Alegre: UFRGS, 2006, p. 281.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo:

Boitempo, 2007.

SGUISSARDI, V. Que lugar ocupa a qualidade nas recentes políticas de

educação superior? In: ENDIPE, 12., 2006, Recife. Anais... Recife: UFPE,

, p. 1-14.

VALENTE. I; ROMANO, R. PNE: Plano Nacional de Educação ou carta de

intenção? Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 96-107, set.

VIEIRA, S. L.; FARIAS, I. M. S. Política educacional no Brasil. Introdução histórica. Brasília: Líber, 2007.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.