EDUCAÇÃO BILINGUE PARA SURDOS UMA PROPOSTA QUE INCLUI

Karla Alexandra Benites Florenciano

Resumo


O presente trabalho tem como tema central a educação bilíngue para surdos, por isso, objetiva-se por meio deste: apresentar alguns aspectos e percalços da educação inclusiva para surdos versando as questões culturais que a permeiam, como também apontar aspectos da educação bilíngue que vem sendo discutida pela comunidade surda. A metodologia adotada nesta pesquisa é de cunho qualitativo, sendo utilizada como instrumento de coleta de dados a revisão de literatura, assim, foi por meio de leituras e reflexões em artigos, revistas e livros científicos é que pode-se obter alguns resultados iniciais sobre a temática, tais como: a inclusão escolar para alunos surdos precisa valorizar mais a diferença cultural e linguística do sujeito surdo; a proposta bilíngue reconhece a língua de sinais como língua natural da comunidade surda, como também busca respeitar a autonomia desta língua, promovendo ambientes linguísticos favoráveis a aquisição plena desta língua pelos estudantes surdos.


Palavras-chave


Cultura surda. Inclusão. Proposta Bilíngue. Educação para Surdos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, M. L. A. História da Educação. 2 ed. São Paulo: Moderna.1996.

BRASIL, Relatório sobre a Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília, DF MEC/SECADI 2014.

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispões sobre a Língua Brasileira de Sinais- Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 25 abr. 2002. p. 23. Disponível em:

< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm> Acesso em: 15.jan. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 17 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 dez. 2005. p. 28. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2005/decreto-5626-22-dezembro-2005-539842-publicacaooriginal-39399-pe.html> Acesso em:

jan. 2017.

DECLARAÇÃO, DE SALAMANCA. Necessidades Educativas Especiais–NEE. In: Conferência Mundial sobre NEE: Acesso em: Qualidade–UNESCO. Salamanca/Espanha: UNESCO. 1994.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HONORA, M.; FRIZANCO, M. L. E. Livro Ilustrado de Língua Brasileira de Sinais: desvendando a comunicação usada pelas pessoas com surdez. 1. ed. São Paulo: Ciranda Cultura, 2009.

LACERDA, C.B.F; A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 163-184, maio/ago. 2006. Disponível em: << http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v26n69/a04v2669>> Acesso em: 10. jan. 2017.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 5ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como? 1. ed. São Paulo: Moderna, 2003.

MORAES, J. G. V. História: Geral e do Brasil: volume único – 2.ed. São Paulo: atual 2005.

PERLIN, G. Identidades surdas. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez – um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005. p. 51-73.

QUADROS, R. M; Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed. 1997.

SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 6 ed. Porto Alegre: Mediação. 2013.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 4 ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2016.

VILHALVA, S. Lamento oculto de um surdo. Disponível em:

Acesso em: 10. jan. 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v6i8.9367

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.