O grotesco em Shrek 2 (2004): um olhar semiótico

Luiz Antonio Xavier Dias

Resumo


A partir da base teórica pautada nos fundamentos semióticos de carnavalização e grotesco proposta por Bakhtin (1999; 1981; 2003; 1992) – neste artigo, apresentamos o resultado de pesquisa teórica que procurou investigar a noção de carnavalização do grotesco e também do riso em duas cenas enunciativas da obra cinematográfica Shrek 2 (2004). A animação da Dreamworks, teve sua inspiração na obra literária Shrek, seu maior mérito foi o de desconstruir personagens típicos como o ogro que se torna príncipe e uma princesa também  ogra, tais fatos trouxeram grande mudança para o seguimento de animações digitais. A partir da descrição das cenas e do arcabouço teórico proposto pelo teórico russo,  nosso objetivo foi de desvelar vários sentidos alicerçados no riso e no grotesco.

Palavras-chave


Carnavalização. Grotesco. Shrek 2 (2004).

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1999.

______. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikail. (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

______. Problemas da Poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

BASSOLS, Pedro Inácio. Clássicos da literatura infantil revisitados em Shrek 2. Trabalho de Conclusão de Curso (Letras). UFRS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CHONG, Andrew. Animação digital. Porto Alegre: Bookman, 2011.

CORSO, D. L; CORSO, M. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed, 2006.

COURSEUIL, Anelise Reich. Literatura e Cinema. In: BONNICI, Thomas e

ZOLIN, Lúcia Osana (org.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. rev. e ampl. Maringá: Eduem, 2009, p. 369-378.

COELHO, César; MAGALHÃES, Marcus; QUEIROZ, Aída; ZAGURY, Léa.

Animation now! Madrid: Taschen, 2004.

DI CAMARGO JR, Ivo. O futuro analisado pela linguagem cinematográfica: diálogos entre a teoria do cinema e Mikhail Bakhtin. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos, 2009.

DIAS, Luiz Antonio Xavier. Gênero discursivo filme de animação infantil: práticas discursivas e ação docente para o multiletramento. 2015 . 232 f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem – Universidade Estadual de Londrina, Londrina-PR, 2015.

FIORE, Adriano Alves; CONTANI, Miguel Luiz. Elementos argumentativos da carnavalização bakhtiniana na iconografia do heavy metal. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 9, p. 35-52, 2014.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008.

FOSSATTI, Carolina Lanner Categorias de narratividade no cinema de animação: atualização dos valores éticos de Aristóteles segundo Edgar Morin. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Comunicação Social. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. PUC/RS, 2010. 409 p.

______. Cinema de animação: um diálogo ético no mundo encantado das histórias infantis. Porto Alegre: Sulina, 2011.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1985.

LUCENA JÚNIOR, Alberto. Arte da animação: técnica e estética através da

história. São Paulo: Senac, 2005.

MORENO, Anônio. A experiência brasileira no cinema de animação. Rio de Janeiro: Artenova, 1979.

MOTTA-ROTTH, Desirée; HANDGES, Graciela Rabuske. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

PROPP, Vladimir I. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SOERENSEN, Claudiana. A carnavalização e o riso segundo Mikhail Bakhtin. Travessias (UNIOESTE. Online), v. 11, p. 318-331, 2011.

STEIG, Wilian. Shrek! Trad. Eduardo Brandao. São Paulo: Companhia das

Letrinhas, 2001. Não paginado.

VANOYE, Francis.; GOLIOT-LETE, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. Trad. Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 2006.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 1983.

Filmografia

SHREK. Direção: Andrew Adamson e Vicky Jenson. Produção:

PDI/DreamWorks, 2001. 1 DVD (93 min.), widescreen, color

SHREK 2. Direção: Andrew Adamson. Produção: Jeffrey Katzenberg; Aron

Warner. Califórnia: DreamsWorks Animation, 2004, 1 DVD (105 min.) son., color.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v6i10.5941



Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.