A presença e a motivação de topônimos indígenas nas ruas de Dourados/MS

Denise Velasco, Marilze Tavares

Resumo


Tendo em vista a significativa presença de grupos indígenas no município de Dourados/MS, esta pesquisa teve como objetivo principal verificar em que medida é possível encontrar aspectos da cultura indígena nos nomes de ruas da área urbana do município, sobretudo no que se refere à origem linguística dos topônimos. Além disso, procuramos verificar também quais as causas motivacionais mais recorrentes nesses topônimos. Para coleta e análise dos dados que constituíram o corpus da pesquisa, fundamentamo-nos nos pressupostos teóricos e metodológicos de Dick (1990, 1992, 1996). Como exemplo do que constatamos com a pesquisa, citamos o fato de que vocábulos de origem indígena e outras referências aos grupos indígenas aparecem em um pequeno percentual da toponímia urbana.

Palavras-chave


Toponímia. Cultura Indígena. Nomes de Ruas.

Texto completo:

PDF

Referências


AULETE DIGITAL. Disponível em: http://www.aulete.com.br Acesso

entre junho de 2015 e julho de 2016.

CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. Introdução às línguas indígenas brasileiras. 3.ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1977.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário histórico das palavras portuguesas de origem tupi. São Paulo: Companhia Melhoramentos, Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Métodos e questões

terminológicas na Onomástica. Estudo de caso: a toponímia do Estado de

São Paulo. In: Investigações. Lingüística e Teoria Literária. São Paulo: ed. Da USP, v. 9, 1999, p. 119-148.

______. Atlas toponímico: um estudo de caso. In: Acta Semiótica et

Lingvistica. SBPL: Sociedade Brasileira de Professores de Lingüística, Editora Plêiad, 1996, p. 27-45.

______. Toponímia e Antroponímia no Brasil: Coletânea de Estudos. 2. ed. São Paulo. Artes Gráficas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências

Humanas/ USP, 1992.

______. A motivação Toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado São Paulo, 1990.

GONSALVES, Doraci da Luz. Um estudo da toponímia da porção Sudoeste de Mato Grosso do Sul: acidentes físicos e humanos. (Dissertação Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2004.

HOUAISS, Antônio; VILAR, Mario Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da

língua portuguesa. Objetiva, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo

Disponível em www.censo2010.ibge.gov.br/ Acesso em 03 de

dezembro de 2015.

INSTITUTO SOCIOAMBEINTAL. A vida e a luta de Marçal de Souza Tupã’i.

Disponível em https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-domonitoramento/a-vida-e-a-luta-de-marcal-de-souza-tupai.

Acesso em 05 de agosto de 2016.

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE DOURADOS. Disponível em

http://www.camaradourados.ms.gov.br/a-camara/lei-organica.

Acessado em 27 de janeiro de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS. GeoDourados Banco de Dados

Multifinalitário. Disponível em http://geo.dourados.ms.gov.br/dourados.

Acesso em 15 de agosto de 2015.

SAMPAIO, Teodoro. O Tupi na geografia nacional. 5.ed. São Paulo: Editora Nacional. Brasília, 1997.

SAPIR, Edward. Língua e Ambiente. In: Lingüística e Ciência. Rio de Janeiro: Acadêmica: 1969, p. 43 – 49.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura guarani. 3.ed. São Paulo. EPU – Editora Pedagógica e Universitária Ltda. EDUSP – Editora da

Universidade de São Paulo. São Paulo, 1974.

TAVARES, Marilze. Toponímia sul-mato-grossense: um caminhar pelas

microrregiões de Dourados, de Iguatemi e de Nova Andradina. 2004. 214f. (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS: 2004.

TIBIRIÇÁ, Luiz Caldas. Dicionário Tupi Português. São Paulo: Traço Editora e Distribuidora, 1984.






Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.