A pretensa objetividade e imparcialidade da narrativa jurídica simples

Monclar Guimarães Lopes

Resumo


Neste trabalho, defende-se que a objetividade e a imparcialidade atribuídas à narrativa jurídica simples representam uma abstração, na medida em que todo texto é constituído a partir de uma subjetividade. Nesse sentido, sustenta-se que aquilo que se obtém na redação de tal sequência linguística é um efeito de isenção e neutralidade, mas não a objetividade e a imparcialidade por si mesmas. Tal ponto de vista, na verdade, representa um conhecimento compartilhado entre os linguistas que, em suas análises, levam em consideração o contexto em que se erige a enunciação. Sob esse prisma, considera-se que o material linguístico sempre denuncia a perspectiva do produtor do texto, mesmo quando, na escolha lexical, selecionam-se elementos que não apresentam natureza dêitica ou avaliativa, pois outros fatores operam na construção da subjetividade: a categorização, a conceptualização das cenas e o emprego de operadores argumentativos, por exemplo. Para a comprovação de nossa hipótese, faz-se o estudo de dois relatórios extraídos de pareceres técnicos jurídicos, redigidos em narrativa simples. Vale ressaltar que a seleção dos textos se deu a partir de uma obra cujo objetivo é ensinar aos graduandos de Direito os aspectos fundamentais dessa sequência textual.

Palavras-chave


Narrativa simples. Enunciação. Categorização. Conceptualização das cenas.

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto alegre: EDIPUCRS, 2004.

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BALLY, C. El linguaje y la vida. Buenos Aires: Losada, 1944.

BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. Campinas: Pontes, 1988.

CABRAL, A. L. T. A força das palavras. Dizer e argumentar. São Paulo: Contexto, 2011.

CHARAUDEAU, P. Grammaire du sens et de l’expression. Paris: Hachette, 1992.

FETZNER, N. C; VALVERDE, A. G. M; JUNIOR, N. C. T. Lições de Argumentação Jurídica. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

FETZNER, N. C; SOUZA, A. C. E; PALADINO, V. C. Argumentação Jurídica.

Teoria e Prática. 4ª ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos Editoras, 2013.

FLORES, V. N; TEIXEIRA, M. Introdução à Linguística da Enunciação. São Paulo: Contexto, 2008.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Os atos de linguagem no discurso. Niterói: Eduff, 2005.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1974.

LANGACKER, R. CognitiveGrammar. New York: Oxford University Press, 2008.

MONDADA, L; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: Uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M. M; RODRIGUES, B. B; CIULLA, A (orgs). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003.

ODGEN, C. K; RICHARDS, I. A. O significado de significado: um estudo da

influência da linguagem sobre o pensamento e sobre a ciência do simbolismo. São Paulo: ZaharEditores, 1972.

SACKS, H. Lectures on Conversation. Vol 1. Oxford: Blackwell, 1992.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 1971.

TALMY, L. Toward a Cognitive Semantics.Vol I. Concept Structuring Systems. Cambridge: The MIT Press, 2010.

TRAUGOTT, E. C; DASHER, R. Regularity in semantic change. Cambridge:

Cambridge University Press, 2002.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v6i10.5521



Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.