Memórias póstumas de Brás Cubas e a representação crítica do processo de modernização brasileira

Bárbara Del Rio Araújo, Débora Ribeiro, Mariana Franco Barbosa

Resumo


O trabalho busca analisar o procedimento estético do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, publicado em 1881 por Machado de Assis, evidenciando, através do conceito de “Redução Estrutural”, o processo da modernização e inserção tecnológica brasileira. Tal processo pode ser explicado pela própria configuração histórica nacional, sobretudo a dinâmica da sociedade do século XIX, pautada nas relações de favor, interesse e aparência. Constatou-se que a literatura machadiana, como um fenômeno cultural brasileiro, proporcionou, através do objeto estético, o conhecimento da realidade e as suas possibilidades de transformação.

Palavras-chave


Literatura e Sociedade. Mediação formal. Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Record, 1998.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 11ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

FAORO, Raymundo. Machado de Assis: A Pirâmide e o Trapézio. 4.ed. São Paulo: Globo, 2001.

FURTADO, Celso. O Mito do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

SOUZA, Ronaldes de Melo. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são?: ensaios. São Paulo: Cia das letras, 1987.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5ª ed. São Paulo: Duas Cidades, 2000.

WAIZBORT, Leopoldo. A passagem do três ao um. São Paulo: Cosac Naify, 2007.






Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.