A conjunção Mas e a Adversatividade

Danivia da Cunha Mattozo Wolff

Resumo


Este trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado e apresenta um estudo com base funcionalista que mantém interface com a Linguística Histórica e o Estudo da Variação e Mudança Linguísticas. O objetivo é analisar o conceito de adversatividade relacionado ao comportamento da conjunção mas. Para tanto, foram elencados exemplos de uso da conjunção em diversos contextos, relacionando-os aos vários conceitos de conjunção encontrados nas gramáticas tradicionais. Os resultados mostraram que as definições das noções de adversatividade disponíveis, baseadas apenas em aspectos formais, não são suficientes para classificar adequadamente as conjunções; que existe uma linha tênue entre adversatividade e concessividade e que, muitas vezes, não é possível manter essa diferenciação; que não apenas as conjunções adversativas estabelecem a adversatividade, mas também outros tipos de conjunção; e, por fim, que o mas, considerado adversativo por excelência, possui um comportamento heterogêneo, nem sempre estabelecendo a ideia de oposição entre orações

Palavras-chave


Conjunções. Mas. Adversatividade.

Texto completo:

PDF

Referências


BIDERMAN, Maria Tereza C. Teoria linguística: linguística quantitativa e

computacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2001.

CALDAS AULETE. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1958.

CÂMARA JR., Joaquim M. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis:

Vozes, 1970.

CARONE, Flávia B. Subordinação e coordenação: confrontos e contrastes. 6. ed. São Paulo: Ática, 2000. Série Princípios, v. 138.

CASTRO, Lea M. F. A morfossintaxe da concessão no português contemporâneo. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: Programa de Pós-graduação em Letras da Fale/UFMG, 1985.

CAVALCANTI, Sônia L. As conjunções do português: uma abordagem

semântico-argumentativa. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Pontifícia

Universidade Católica, 1989. v. I e II

CEGALLA, Domingos P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 37. ed. São Paulo: Nacional, 1994.

CUNHA, Celso. Gramática do português contemporâneo. 2. ed. Belo

Horizonte: Bernardes Alves, 1971.

FERNANDES, Márcia A. A compreensão da conjunção e a conjunção na

compreensão. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: Programa de Pósgraduação em Letras da Fale/UFMG, 1997.

GILI GAYA, S. Nociones de gramática histórica española. 2. ed.

Publicaciones y ediciones Spes, 1955.

IORDAN, I.; MANOLIU, M. Manual de lingüística románica. Madrid:

Gredos, 1980.

KOCH, Ingedore V.; SILVA, Cecília P. S. Linguística aplicada ao português: sintaxe. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

LAPA, M. Rodrigues. Estilística da língua portuguesa. São Paulo: Martins

Fontes, 1982.

LIMA, R. Gramatica normativa da língua portuguesa. 32. ed. retocada e

enriquecida. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1994.

MACHADO, José P. Dicionário etimológico da Língua Portuguesa. Lisboa:

Editorial Confluência, 1956.

MACHADO, Júnia F. V. Aspectos argumentativos da oposição e da concessão em língua portuguesa. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: Programa de Pós-graduação em Letras da FALE/UFMG, 1987.

MARQUESI, Sueli C. Contribuição a uma gramática portuguesa de texto:

estudo crítico das conjunções “e” e “ou”. Dissertação de Mestrado. São

Paulo. Pontifícia Universidade Católica, 1981.

MATTOS E SILVA, R. M. V. Pero e porém: mudanças em curso na fase

arcaica da língua portuguesa. Boletim de Filologia, Lisboa, v. 2, n. XXIX, p. 129-151, 1984.

MAURER Jr., Theodoro H. Gramática do latim vulgar. Rio de Janeiro:

Livraria Acadêmica, 1959.

MICHAËLIS DE VASCONCELOS, C. Glossário do Cancioneiro da Ajuda.

Revista Lusitana, v. XXIII, p. 1-95, 1920.

SANTOS, Ivan S. M. A conjunção como elemento de estratégia interativa.

Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: Programa de Pós-graduação em

Letras da FALE/UFMG, 2003.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v4i6.3680

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.