Da linguística estrutural à semiótica discursiva: um percurso teórico-epistemológico

Conrado Moreira Mendes

Resumo


O presente artigo delineia um percurso teórico-epistemológico, que parte da linguística estrutural de Saussure e Hjelmslev, chegando à semiótica de Greimas e sucessores. O trajeto deve-se à razão de a semiótica de linha francesa (ou Escola de Paris) ser grande tributária dos pressupostos teóricos da linguística estrutural. Baseando-se numa teoria da linguagem, além de outras fontes, Greimas constrói uma disciplina extremamente coesa e complexa, capaz de examinar a produção do sentido de quaisquer textos, sejam verbais, não-verbais ou sincréticos. O artigo aporta, além disso, um dos desenvolvimentos recentes da teoria greimasiana, conhecido por ponto de vista tensivo da semiótica. Dessa forma, o presente texto, de caráter eminentemente teórico, enfoca as bases linguísticas subjacentes à teoria da significação erigida por Greimas, além de pôr em relevo alguns dos principais conceitos da semiótica de linha francesa.

Palavras-chave


Linguística estrutural. semiótica discursiva. Greimas. tensividade.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.