Sobre como não ir embora: memória e metanarrativa em Ainda estou aqui, de Marcelo Rubens Paiva

Maricelma da Silva, Luís Fernando Prado Telles

Resumo


O presente artigo busca investigar o aspecto dual da narrativa de Ainda estou aqui, especificamente a oscilação entre narrativa e comentário, processo metanarrativo este que funciona como estratégia de reconstrução da memória do autor e de sua família, vítimas do estado de exceção que se instaurou no país durante o período do regime militar. O estudo pretende investigar ainda em que medida o trabalho de construção narrativa funciona de modo a demarcar a resistência da memória e o restabelecimento de verdades históricas. 


Palavras-chave


Memória. Metanarrativa. Resistência. Estado de exceção. Regime militar.

Texto completo:

PDF

Referências


BOOTH, Wayne C. Narradores Fidedignos como porta-vozes dramatizados do autor implícito. In. ______ A retórica da Ficção. 1. ed. Lisboa: Arcádia,1980, p. 227 – 231.

DAL FARRA, Maria Lúcia. O narrador ensimesmado. 1.ed. São Paulo: Ática, 1978.

GAGNEBIN, Jeane Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.

GENETTE, Gérard. Fronteiras da Narrativa. In: BRATHES, R. et alli. Análise Estrutural da Narrativa. Ed. Vozes: Rio de Janeiro, 1976, págs. 255- 274.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. 2. Tradução: Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra, Belo Horizonte: UFMG, 2014.

NUNES, Benedito. O tempo da narrativa. São Paulo: Ática, 2003.

PAIVA, Marcelo Rubens. Ainda estou aqui. 1. Ed. Rio de Janeiro: Alfaguara/Objetiva, 2015.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v13i32.9546

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.