Espacialidade gótica e horror em "Sem olhos", de Machado de Assis

Renata Philippov

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar o conto “Sem Olhos”, de Machado de Assis, pelo prisma da espacialidade gótica, visando a compreender como tal prisma contribui para criar o efeito de terror. Para tal, tomar-se-ão como aparato teórico os estudos de Botting (1996), Punter; Byron (2004) e Cavallaro (2002) sobre o gótico, com o intuito de discutir como isso se configura no conto machadiano e como desloca a convenção gótica de forma irônica.

Palavras-chave


Machado de Assis. Espacialidade gótica. Horror. Ironia.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, J. M. M. Sem Olhos. ______ Obra Completa. Vol. 2: Conto. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008, p. 1443-1456.

BAKHTIN, M. Problems of Dostoevsky's Poetics. Edição e tradução Caryl Emerson. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

BELLIN, G. Machado de Assis leitor de Poe: a retomada irônica da convenção gótica no conto “Um Esqueleto”. In: SILVA, A.M.; BARROS, F.M.;

BOTTING, F. Gothic. London: Routledge, 1996.

CAVALLARO, D. The Gothic Vision: Three Centuries of Horror Terror and Fear. London: MPG Books Ltd, 2002.

COLUCCI, L. (org.). Estudos do Gótico. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2017.

PERRONE-MOISÉS, L. Literatura comparada, intertexto e antropofagia.

______ Flores da Escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 91 – 99.

PUNTER, D. ; BYRON, G. The Gothic. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2004.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v12i29.7785

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.