A estética neofantástica no romance As horas nuas, de Lygia Fagundes Telles

Kelio Junior Santana Borges

Resumo


Este trabalho tem o propósito de promover uma análise estrutural e semântica do universo sobrenatural presente no romance As horas nuas, de Lygia Fagundes Telles. Nosso estudo almeja estudar o livro à luz de teorias outras que distanciam sobrenatural contemporâneo daquele tradicional pertencente aos séculos XVIII e XIX. Para isso, teremos como norte as palavras do escritor italiano Italo Calvino – em quem nos apoiaremos para promover uma leitura mais atual desse universo metafísico − assim como a teoria do argentino Jayme Alazraki – estudioso responsável pela criação do termo neofantástico, palavra com que define essa forma derivada da antiga narrativa fantástica, aquela tão amplamente teorizada por Tzvetan Todorov.

Palavras-chave


Palavras-chave: Sobrenatural. Fantástico. Neofantástico. Lygia Fagundes Telles.

Texto completo:

PDF

Referências


ALAZRAKI, Jaime. ¿Qué es lo fantástico?. In: Mester, vol. XIX, n. 2. 1990, p. 21-33.

CALVINO, Italo. Mundo escrito e mundo não escrito : artigos, conferências e entrevistas. Organização Mario Barenghi. Tradução Maurício Santana Dias. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MOURA, Sheila. Lygia Fagundes Telles: uma mulher de palavra. Revista Desfile. n. 318, São Paulo: 1996, p.124-125.

SILVA, Vera Maria Tietzmann. Dispersos & inéditos: estudos sobre Lygia Fagundes Telles. Goiânia: Cânone Editorial, 2009.

TELLES, Lygia Fagundes. As horas nuas. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Tradução de Maria Clara Correa Castello. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 2004. (Debates; 98, dirigida por J. Guinsburg).




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v12i29.7774

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.