A palavra visível: tipografia, visualidades e sentido em Eles eram muitos cavalos

Alex Martoni

Resumo


A partir das operações tipográficas realizadas por Luiz Ruffato, em Eles eram muitos cavalos, buscaremos pensar sobre os modos através dos quais as conformações visuais do texto, aqui entendidas no âmbito da materialidade do significante, influem sobre os processos de construção de sentido sobre o mesmo e como tais operações se inscrevem no domínio das práticas estéticas próprias à literatura contemporânea.

Palavras-chave


Tipografia. Visualidade. Sentido. Luiz Ruffato. Literatura contemporânea.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Abril Cultural, 1971.

DRUCKER, Johanna. The visible word: experimental typography and modern art, 1909 – 1923. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

EISENSTEIN, Elizabeth. A revolução da cultura impressa. São Paulo: Ática, 1998.

FLUSSER, Vilém. A escrita: há futura para a escrita? São Paulo: Annablume, 2010.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura. São Paulo: Editora 34, 1999.

ISHII, Yasushi. “Da caneta à máquina de escrever”. In_ SÜSSEKIND, Flora; DIAS, Tânia (Orgs.). A historiografia literária e as técnicas de escrita: do manuscrito ao hipertexto. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2004.

KITTLER, Friedrich. Gramophone, film, typewriter. California: Stanford University Press, 1999.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

PIGNATARI, Décio. Semiótica e literatura. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.

RUFFATO, Luiz. Eles eram muitos cavalos. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6324

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.