Marguerite Duras: presença na ausência

Maria Luiza Berwanger da Silva

Resumo


Tomando como ponto de partida a busca da escritura artística, este ensaio efetua a leitura simbólica da textualidade de Marguerite Duras, mediada, principalmente, por seu romance L’Amant. Nesse sentido, a presente reflexão evidencia e examina a produção do efeito de completude captado do diálogo do Mesmo e de sua subjetividade com o Outro, gesto que assegura a permanência dessa autora francesa no contemporâneo nacional e mundializado.

Palavras-chave


Marguerite Duras. Subjetividade. Literatura Mundial.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.