Interseções poéticas: uma ponte dialógica da poesia modernista e contemporânea por meio da poética de Fernando Pessoa e Herberto Helder, em “Hora absurda” e “Para o leitor ler de/vagar”

Isa Maria Marques Oliveira

Resumo


Os poemas “Hora Absurda”, de Fernando Pessoa e “Para o leitor ler de/vagar”, de Herberto Helder tiveram um destaque para evidências de elementos metapoéticos que apresentavam o uso de metáforas, em que a metalinguagem utilizada por ambos os poetas tiveram uma interseção visível de suas ideias em relação a temas tais quais: a poesia, o leitor e o próprio autor. Contudo, a poesia portuguesa se revelou uma poesia que dialoga com outros textos e trouxe reflexões sobre o fazer poético e as interfaces/relações que a palavra estabelece através de suas condições poéticas, proporcionadas entre poeta e poesia, poeta e leitor, poeta e outros poetas.

Palavras-chave


Fernando Pessoa. Herberto Helder. Poesia Moderna. Poesia Contemporânea. Metapoesia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v11i26.4946

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.