Cena do jogo Só perguntas em É tudo improviso: análise com base na teoria da relevância

Fábio José Rauen, Pedro Henrique Mattos

Resumo


Analisamos neste artigo uma cena do jogo Só perguntas do programa É tudo improviso com base na teoria da relevância de Sperber e Wilson (1986, 1995). Neste jogo de improvisação, os atores devem desenvolver um tema com sucessivas perguntas, exigindo que os atores evitem fornecer respostas relevantes mediante aceitação/rejeição da forma lógica proposicional de perguntas sim-não do oponente ou complementação da forma lógica não proposicional de perguntas-QU do oponente. Os achados indicam que o aumento progressivo do custo de processamento de sucessivas perguntas-QU inviabilizou a manutenção do diálogo com outras perguntas, forçando um dos atores a hesitar.

Palavras-chave


Pragmática cognitiva. Teoria da relevância. Humor.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.