Paraíso e odisséias pós-modernas: a(s) fronteiras(s) no cinema latino-americano contemporâneo

Manuel Fernando Medina

Resumo


Nosso artigo propõe que a partir da última década do século XX, escritores e cineastas, operando às margens, vêm transformando a apresentação do paraíso, ao descrever a crua realidade da vida nos centros urbanos que atraem o maior número de imigrantes. Analisamos dois filmes: Paraíso Travel (2009), do diretor colombiano Simon Brand, e Bolivia (2005), do diretor argentino Adrián Caetano, que redefinem o conceito do paraíso ao apresentar às plateias, cidades onde os personagens sofrem para sobreviver. A viagem para chegar ao paraíso se converte em uma odisseia. Dentro do entorno pós-moderno, as correntes principais têm sido trocadas ou desafiadas por versões provenientes das margens da produção cultural. Estes dois filmes atravessam as fronteiras estéticas literalmente em busca de oferecer versões alternas. Os diretores outorgam vozes aos setores minoritários, ao permitirem que os telespectadores percebam a situação dos imigrantes nos grandes centros urbanos para onde tradicionalmente se emigra em busca de melhores condições de vida.

Palavras-chave


Paraiso Travel. Bolivia (filme). Teoria das fronteiras. Border Studies. Migração. Paraíso metafórico. Odisseia. Simon Brand. Adríán Caetano. Buenos Aires. New York.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.