"Quero e vou continuar sendo índia aqui, lá ou acolá”

Ensino de história indígena através de narrativas de mulheres Laklãnõ-Xokleng que vivem em cidades

Autores

Palavras-chave:

Ensino de História, História Indígena, Laklãnõ Xokleng

Resumo

A história do Vale do Itajaí-SC é muito mais diversa e conflituosa do que aparenta uma história única pautada na memória elogiosa da imigração europeia. O objetivo deste artigo é apresentar uma reflexão histórica e de ensino de história que dialogue com produções Laklãnõ-Xokleng, sobretudo TCCs do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica (UFSC) e narrativas de mulheres indígenas que moram em cidades e mantém vínculos profundos com a Terra Indígena Ibirama Laklãnõ. As trajetórias de Maria Elis Tolym Nunc-Nfôonro e Ana Roberta Uglõ Patté revelam desafios enfrentados pelos povos indígenas na contemporaneidade, que resultam de violentos processos históricos e geram incansáveis lutas no campo da educação e no combate ao racismo. Este estudo resultou na elaboração de um material didático, apresentado na parte final deste texto, que contribui com a implementação da Lei 11.645/2008 ao propor atividades de investigação histórica através da análise fontes diversas para o ensino de história indígena. “Gente Agente” é um site educativo, disponível também em ebook, composto de seis aulas-oficinas nas quais estudantes são instigados/as a conhecer e a analisar histórias através de perspectivas indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarice Ehmke Gayo

Professora de História efetiva da Rede Pública Estadual de Santa Catarina. Foi Professora Supervisora PIBID - História (FURB), 2014/2015 e é Membro do Centro de Memória Oral e Pesquisa- CEMOPE, (FURB). Graduada em História pela Universidade Regional de Blumenau (FURB), 2000. Pós-graduada em História e Acervos (FURB), 2003 e Mestre em Ensino de História pelo Profhistória (UDESC), 2021.

Luisa Tombini Wittmann, UDESC

Professora Adjunta do Curso de Graduação e de Pós-Graduação em História (PPGH e Profhistória) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Atualmente, coordena o AYA - Laboratório de Estudos Pós-coloniais e Decoloniais (FAED/UDESC) e o Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória/UDESC), além de projetos de extensão e de pesquisa no campo da História Indígena.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2019. Ebook.

BANIWA, Gersem. Entrevista. Revista História Hoje, Dossiê Ensino de História Indígena, vol.1, n.2, 2012.

BARCA, Isabel. Aula Oficina: do projeto a avaliação. In: Para uma educação histórica com qualidade: Atas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Centro de Estudos e Educação e Psicologia, Universidade do Minho, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Operacionais para a implementação da história e das culturas dos povos indígenas na educação básica em decorrência da Lei 11.645/08. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2015.

CAIMI, Flávia Eloisa. O que precisa saber um professor de História? Revista História & Ensino, Londrina, v. 21, n. 2, p. 105-124, jul./dez.

_________. Progressão do conhecimento histórico. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de (coord.). Dicionário de Ensino de História. Rio de Janeiro: FGV, 2019, p.209-213.

_________. Por que os alunos (não) aprendem História? Reflexões sobre ensino, aprendizagem e formação de professores de História. Tempo, 2006, pp.17-32.

Carta de Repúdio contra o racismo sofrido pelos estudantes indígenas da UFSC. Florianópolis:UFSC, 2016. Disponível em: <http://178.62.201.127/noticia/ cultura-doodios-contra-os-indigenas-se-expressa-na-ufsc>, acesso em 20/10/2020

CASTRO-GOMES, Santiago y GROSFOGUEL, Ramón (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, 2007.

CRIRI, João. A Alimentação Tradicional Laklãnõ-Xokleng. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

CRIRI, Voia. Impactos da colonização e da barragem norte sobre a espiritualidade do povo Laklãnõ/Xokleng: memórias do ritual do Pétogdé. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2020.

CRENDO, J. G. O espaço tradicional Xokleng/ Laklãnõ. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

CUZIGNI, Vilma Couvi Patté. Dança das Árvores e a Dança da Voz: jeito de dar nome às crianças no Povo Xokleng/Laklãnõ. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2020.

GAKRAN, Carl Liwies. Vãjẽky óg goj tá kapó jó – Os Vãjẽky saíram da água. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

HALL, Stuart. A identidade Cultural na Pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

KAYAPÓ, Edson; SCHWINGEL, Kassiane (orgs.) Universidade: território indígena. Porto Alegre: COMIN, Fundação Luterana de Diaconia, 2021.

KAMBEBA, Marcia Wayna. Ai Kakyri Tama: eu moro na cidade. Manaus: Grafisa, 2013.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A Queda do Céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LANDER, Edgardo (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino- americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

LEDA, Manuela Corrêa. Teorias pós-coloniais e decoloniais: para repensar a sociologia da modernidade. Temáticas, Campinas-SP, v. 23, n.45, 2015.

LEE, Peter. “Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé”: compreensão das pessoas do passado. In: BARCA, Isabel. Educação Histórica e Museus. Minho/PT: Centro de investigação: Instituto de Educação e Psicologia: Universidade do Minho, 2003.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Pensamento Feminista Hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

MARCON, Telmo. Memória, História e Cultura. Chapecó: Argos, 2003.

MIGNOLO, Walter (ed.). Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, v. 34, 2008, pp. 287-324.

MONTEIRO, John M. Armas e armadilhas: história e resistência dos índios. In: NOVAES, Adauto (org.) A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p.237-256.

MORTARI, Claudia. O “equilíbrio das histórias”: reflexões em torno de experiências de ensino e pesquisa em História das Áfricas. In: Nossa África: ensino e pesquisa. São Leopoldo: Oikos, 2016.

MUNDURUKU, Daniel. O ato indígena de educar(se): uma conversa com Daniel Mundukuru. (2010). Disponível em: http://www.bienal.org.br/post/3364, acesso em 16/04/2019.

NDILI, Neuton Calebe Vaipão. Mudanças socioambientais na comunidade Xokleng Laklãnõ a partir da construção da Barragem Norte. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2020.

NUNC-NFÔONRO, Maria Elis Tolym. “Me deixem ser índia”, Jornal de Santa Catarina: Blumenau, 19/04/ 2017 . Ano 46 - No. 14.065.

___________. Depoimento para Rede de Articulação Psicologia e povos da Terra/SC, publicado em 20 de abril de 2019, disponível em: <https://www.facebook.com/psicologiaepovosdaterrasc/photos/ a.2694716524140123/2694716544140121>, acesso em 10/07/2020.

NUNES, Eduardo Soares. Aldeias urbanas ou cidades indígenas? Reflexões sobre índios e cidades. In: Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 9-30, jan./jun. 2010.

PATTÉ, Alair Ngamum. Histórias cotidianas do povo Laklanõ. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

PATTÉ, Ana Roberta Uglô. Barragem norte na Terra Indígena Laklãnõ. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

________. ANTICAST 387: O Movimento Indígena Brasileiro. Entrevistador: Ivan Mizanzuk. Entrevistada: Ana Patté. Curitiba, 1 maio 2019, Disponível em: <http://anticast.com.br/2019/05/anticast/anticast-387-o-movimento-indigenabrasileiro

PATTÉ, Woie Kriri Sobrinho. Gestão da água na TI Laklãnõ Xokleng. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

PRIPRÁ, Osiel Kuita. O contato descrito pelos Laklãnõ Xokleng, os descendentes de Kaingang e as trocas de costumes e saberes. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2020.

PRIPRÁ, Zilda. Organização social e política Lakãnõ/Xokleng. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder e a Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.

ROVARIS, Carolina Corbellini. Nos rastros de sujeitos diaspóricos: narrativas sobre a diáspora africana no ensino de história. Curitiba: Appris, 2020.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cognição histórica situada: que aprendizagem é esta? In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel. Aprender História: perspectivas da Educação Histórica. Ijuí: Unijuí, 2009, p. 21-50.

SCHMITZ, Pedro Inácio. A ocupação pré-histórica do Estado de Santa Catarina. Revista Tempos Acadêmicos. Dossiê Arqueologia Pré-Histórica, n. 11, p. 6-24, 2013.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo, FAPESP: Annablume, 2014.

TSCHUCAMBANG, Copacãm. Artefatos arqueológicos no território Laklãnõ /Xokleng-SC. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Florianópolis: UFSC, 2015.

VIEIRA, Edna Elza. Simbolismo e Reelaboração na Cultura Material dos Xokleng. Dissertação. Mestrado em História, Universidade Federal de Santa Catarina, 2004.

WITTMANN, Luisa Tombini. O vapor e o Botoque: imigrantes alemães e índios Xokleng no Vale do Itajaí (1850 – 1926). Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2007.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Gayo, C. E. ., & Wittmann, L. T. (2022). "Quero e vou continuar sendo índia aqui, lá ou acolá”: Ensino de história indígena através de narrativas de mulheres Laklãnõ-Xokleng que vivem em cidades. Revista Eletrônica História Em Reflexão, 16(31), 189–213. Recuperado de https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/historiaemreflexao/article/view/14847