Manuais escolares, formação de professores e concepção clássica de modernidade: as “Noções de História da Educação” de Afrânio Peixoto no Brasil na década de 1930

Bruna Aparecida Rodrigues Duarte, Décio Gatti Júnior

Resumo


Este trabalho comunica os resultados de investigação na área de Educação, na subárea de História da Educação, com temática vinculada à História Disciplinar cujo objeto privilegiado foi um importante manual escolar destinado à formação de professores, sob o título “Noções de História da Educação” redigido por Afrânio Peixoto, publicado em 1933, pela destacada Companhia Editora Nacional. Os combates travados no Brasil republicano, entre uma concepção de mundo liberal e outra católica ganhou centralidade em termos culturais e no âmbito educacional, sobretudo, desde a década de 1920, com forte impacto no campo legislativo, educacional e na veiculação de manuais escolares destinados à formação de professores. Neste sentido, a capacidade editorial de ambos espectros ideológicos, com vistas à veiculação em instituições escolares destinadas à formação de professores, em especial, desde a década de 1930, resultou na convivência no mercado editorial brasileiro de manuais escolares antagônicos em termos ideológicos que eram empregados em instituições escolares de instâncias promotoras do ensino também diferenciadas, em especial, estatais e católicas. O estudo detido do manual redigido pelo médico de formação Afrânio Peixoto (1876-1947) permitiu conhecer aspectos importantes do processo de renovação da educação brasileira, a partir da dimensão laica e do cientificismo presentes em sua escrita e da defesa de um papel ativo do Estado na educação escolar, que deveria ser obrigatória e gratuita, o que deixa transparecer uma aproximação com a nomeada concepção clássica de Modernidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v7i20.7437

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.