Memórias de leitura: os ditos e não ditos sobre a leitura escolarizada

Silvane Aparecida de Freitas

Resumo


Neste artigo, concebe-se a leitura enquanto prática social, ação entre interlocutores, dialogicidade, atividade responsiva. Partindo desses pressupostos, analisamos memórias de leitura dos graduandos do primeiro ano de Pedagogia, com o fito de verificar como se dá o diálogo desses futuros professores com a leitura. Para isso, selecionamos memórias de leitura, de oito graduandos, coletadas nas aulas de Prática de Leitura e Produção de Textos, do Curso de Pedagogia, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade de Paranaíba, objetivando refletir sobre esses discursos, tendo como embasamento os pressupostos teóricos de Bakhtin (1992, 2003) e outros pesquisadores que compartilham da visão de linguagem e de leitura enquanto processo e produção de sentidos entre interlocutores. Consideramos que os futuros professores, ao produzirem suas narrativas, mediante a rememoração e a atribuição de sentidos ao que lhe é significativo, constroem um duplo movimento de identificação/distanciamento que permite o surgimento da singularidade desses sujeitos, o que poderá contribuir para uma ressignificação de seu fazer pedagógico.

Palavras-chave


Leitura. Memória. Dialogismo. Linguagem. Professor.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Aurora Fornoni Bernadini et al. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

______. Para uma filosofia do ato. Tradução inédita de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza de Toward a Philosophy of the Act. University of Texas Prtess, 1993.

CORACINI, M. J. O jogo discursivo na aula de leitura. Língua materna e língua estrangeira. Campinas: Pontes, 1995.

DOMINICÉ, Pierre. O processo de formação e alguns de seus componentes relacionais. In: NÓVOA, António; FINGER, Mathias (Org.). O método autobiográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde/Departamento de Recursos Humanos, 1988.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências De vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

KRAMER, Sonia. Leitura e escrita como experiência – notas sobre seu papel na formação. In: ZACCUR, E. (Org.). A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP&A:SEPE, 2000.

KRAMER, Sonia e SOUZA, Solange Jobim. Histórias de professores: leitura escrita e pesquisa em educação. São Paulo: Ática, 1996.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.

VOESE, Ingo. Análise do discurso e o ensino de língua portuguesa. São Paulo: Cortez, 2005.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.