Para compreender o livro didático como objeto de pesquisa

Autores

  • Elício Gomes Lima

Palavras-chave:

Livro didático. Produção do conhecimento. História.

Resumo

A produção do conhecimento acadêmico na relação sujeito-objeto implica compreender não só o papel do educador e do educando, mas também as dimensões interventivas que transversalizam o processo ensino-aprendizagem através de materiais didáticos e com outros conhecimentos provenientes dos meios onde os sujeitos elaboram e reelaboram seus saberes. Este artigo pode ser caracterizado como um diálogo preliminar com alguns autores, que oferecem subsídios quanto ao nosso objeto de estudo, a saber, olhares ou pistas para a compreensão de um quadro de análise sobre o livro didático. O presente trabalho foi desenvolvido numa perspectiva exploratória de caráter qualitativo, uma vez que, ao captar as múltiplas visões dos referenciais selecionados sobre o livro didático de história, recorre à problematizações pertinentes, indagações e encaminhamentos derivadas da dimensão procedimental própria dessa abordagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, M. Leitura, História e História da Leitura. Campinas São Paulo:

Mercado das Letras, 1999.

BATISTA, A. A. G. Um objeto variável e instável: Textos, impressos e

livros didáticos. In ABREU, M. (org). Leitura, História e História da

Leitura.- Campinas, São Paulo: Mercado das Letras, 1999.

BITTENCOURT, C. M. F. O livro didático e conhecimento histórico: uma

história do saber escolar. (tese de doutorado) São Paulo: FFLCH/USP, 1993.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: arte de fazer. 5ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1990.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: arte de fazer. 5ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHARTIER, R. Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

CHOPIN, A. Le Manuel Scolaire in cent references. Paris: Institut National

de Recherche Pédagogique, 1992.

DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette. São Paulo. Companhia das

Letras, 1992.

GALZERANI, M. C. B. Belas mentiras? A ideologia nos estudos sobre o

livro didático. In PINSKY, J. (Org). O ensino de História e a criação do

fato. São Paulo: Contexto, 1988.

GALZERANI, M. C. B. O almanack, a locomotiva da cidade moderna.

Campinas, década de 1870 e 1880. tese de doutoramento. Dep. De história, IFCH, UNICAMP. Campinas São Paulo: 1998.

HOBSBAWM, E. Era dos Extremos. 2ª ed. 25ª reimpressão. São Paulo:

Companhia das Letras, 2003.

LE GOFF, J. História e memória. 4ª ed. Campinas, SP: Editora, UNICAMP,

LIMA, E. G. As múltiplas leituras e visões de mundo nos livros didáticos de história. Dissertação (Mestrado). Campinas/SP: Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, 2004.

MANGUEL. A. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras,

MARTINS, W. A palavra escrita. História do livro, da imprensa e da

biblioteca. São Paulo: Ática, 1996.

McMURTRIE, D. C. O livro. 3ª ed. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa,

PFROMM NETO. S.; ROSAMILHA, N.; DIB, C.Z. O livro na educação.

Rio de Janeiro: Primor, Inl. 1974.

Downloads

Publicado

2012-02-05

Como Citar

LIMA, E. G. Para compreender o livro didático como objeto de pesquisa. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 2, n. 4, p. p.143–155, 2012. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/1563. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê