Igualdad de género y diversidad sexual: percepción de padres/madres y responsables de niños y niñas de una escuela de Macapá-AP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v10i30.14427

Palavras-chave:

Igualdad de género, Diversidad sexual, Educación

Resumo

Este artículo presenta el análisis de las respuestas del cuestionario realizado a padres, madres y responsables participantes de la reunión que sucedió en una escuela de la ciudad de Macapá, Amapá Brasil en la cual se desenvuelve el proyecto de maestría que aborda la temática igualdad de género y diversidad sexual. Utilizamos los aportes teóricos de Sorj (2014), Madeiros; Pinheiros (2013), y Andrade (2015) que posibilitan entender los datos de las percepciones arrojados sobre igualdad de género. Algebaile (2017), Ratier (2016), Manhas (2016), Ximenes (2016) y Cara (2016) como sustentos para análisis en lo competente a diversidad sexual. Concluimos que los encuestados tienden a asumir respuestas indiferentes con respecto al tema de la diversidad sexual y la igualdad de género y que el abordaje de las mismas en la esfera educacional resulta relevante a la hora de generar estrategias para reducir los casos de violencia, opresión, y LGBTfobia. El proyecto cuenta con financiación (becas) por el Programa de Alianzas para la Educación y la Capacitación (Becas Brasil - PAEC OEA-GCUB).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Adalberto Pereira, Universidade Federal do Amapá

Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia (2013). Mestre em Cultura Visual pela Universidade Federal de Goiás (2008). Graduado em Licenciatura Plena em Artes Visuais pela Universidade Federal de Goiás (2003) . Professor do Curso de Licenciatura em Artes Visuais e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amapá. Tem experiência na área de Arte com ênfase em arte educação em articulação com a diversidade sexual. Interesses de pesquisa: gênero e diversidade sexual na educação; decolonialidade; saberes e práticas docentes na perspectiva da diversidade e; arte educação em contextos de diversidade

Andrés Lema Mendez, Universidade Federal do Amapá

Graduação em Serviço Social pela Universidad de la Republica Uruguay (2017). Mestrando em Educação pelo Programa de Pos-graduação em Educação da Universidade Federal de Amapá (PPGED/UNIFAP). Realiza mobilidade acadêmica no Programa de Pos-graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Genero e Feminismo (PPGNEIM) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ALGEBAILE, Evaline. Escola sem partido: o que é, como age, para que serve. In: FRIGOTTO, Gaudencio. Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017, p. 63-64.

ANDRADE, Joana El-Jaick. O feminismo marxista e a demanda pela socialização do trabalho doméstico e do cuidado com as crianças. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 18, p. 265-300, dez. 2015. Disponível em . Acesso em 13 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/0103-335220151810.

CARA, Daniel. O programa “Escola sem Partido” quer uma escola sem educação. In: MALTA, Maria Machado; VIEIRA, Cleib Aparecida, PRAZERES, Michelle. A Ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016, p. 43-48.

COLLIGNON GORIBAR, María Martha. Discursos sociales sobre la sexualidad: narrativas sobre la diversidad sexual y prácticas de resistencia. Comun. soc, Guadalajara, n. 16, p. 133-160, dic. 2011. Disponible en . Acesso em 13 abr. 2020.

MANHAS, Cleomar. Nada mais ideológico que “Escola sem Partido”. In: MALTA, Maria Machado; VIEIRA, Cleib Aparecida, PRAZERES, Michelle. A Ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016, p. 15. 22.

MEDEIROS, Marcelo; PINHEIRO, Luana Simões. Desigualdades de gênero em tempo de trabalho pago e não pago no Brasil, 2013. Soc. estado., Brasília, v. 33, n. 1, p. 159-185, abr. 2018. Disponível em . Acesso em 13 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/s0102-699220183301007.

MENEZES, Aline Beckmann; BRITO, Regina Célia Souza; HENRIQUES, Alda Loureiro. Relação entre gênero e orientação sexual a partir da perspectiva evolucionista. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 26, n. 2, p. 245-252, June 2010. Available from . Access on 13 Apr. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000200006.

RATIER, Rodrigo. 14 perguntas e respostas sobre o “Escola sem Partido”. In: MALTA, Maria Machado; VIEIRA, Cleib Aparecida, PRAZERES, Michelle. A Ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016, p. 29-42.

SORJ, Bila. Socialização do cuidado e desigualdades sociais. Tempo soc., Sao Paulo, v. 26, n. 1, p. 123-128, jun. 2014. Disponible en: . Acceso em 13 abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100009.

XIMENES, Salomão. O que o direito a educação tem a dizer sobre “Escola sem Partido”?. In: MALTA, Maria Machado; VIEIRA, Cleib Aparecida, PRAZERES, Michelle. A Ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016, p. 49-58.

Publicado

04/12/2020

Como Citar

Pereira, A. A., & Lema Mendez, A. (2020). Igualdad de género y diversidad sexual: percepción de padres/madres y responsables de niños y niñas de una escuela de Macapá-AP. Educação E Fronteiras, 10(30), 119–135. https://doi.org/10.30612/eduf.v10i30.14427

Edição

Seção

Dossiê “Neoconservadorismo e Educação: reflexões sobre justiça social, inclusão e democracia”