História e memória da luta pela escolarização no assentamento Chico Mendes/Arinos-MG: a narrativa do curral que virou escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v10i30.14425

Palavras-chave:

Educação do Campo, Memória e História Oral, Cultura e Território.

Resumo

O artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa sobre as lutas pela escolarização das crianças do assentamento Chico Mendes, constante da zona rural do município de Arinos/MG. As narrativas de fundação e apropriação da escola pública como patrimônio da comunidade de assentados foram construídas com aportes teóricos da metodologia da História Oral. Da escola que funcionava em um curral à sua posterior apropriação pelo poder público, nossas reflexões e análises se estabeleceram no tocante ao histórico de luta e resistência contra as diretrizes estatais e pela consolidação de um projeto pedagógico de viés campesino. Ademais, analisamos a contraposição entre os silêncios percebidos na documentação escolar atual, e os conflitos e conquistas detalhados na memória dos fundadores da comunidade, os protagonistas da luta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elza Cristiny Carneiro Batista, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais

Possui graduação em História(2009) e Pedagogia(2005) pelo Instituto de Ciências Sociais e Humanas - INCISOH/SOEBRÁS. É especialista em História do Brasil pela Universidade Estadual de Montes Claros(2008) e mestra em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013-2015). Possui experiência em Educação Básica e Ensino Superior, tanto na gestão escolar quanto na docência. Atualmente é professora efetiva no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - Campus Arinos, onde atua nos cursos técnicos em Agropecuária, Informática e Meio Ambiente; no Bacharelado em Administração de Empresas e no curso de Tecnologia em Gestão Ambiental. Na mesma instituição, presidiu o processo de implantação da Seção Sindical de Arinos (SINASEFE), tendo também atuado como Pedagoga (2010-2016), orientadora do Programa Bolsa Formação/Pronatec (2012-2013) e coordenadora de ensino substituta (2012-2013). É líder do Núcleo de Estudos Regionais (Diretório CNPQ).

Ramiro Esdras Carneiro Batista, Universidade Federal do Amapá

Graduado em Pedagogia e Especializado em Inspeção Escolar pelo Centro de Educação Integrada do Vale do São Francisco (CEIVA); Mestre em Antropologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA), com doutorado em curso na mesma instituição, área de concentração em Antropologia Social. Professor do quadro permanente da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), atuando com formação de docentes de nove etnias indígenas da Amazônia oriental. Possui experiências profissionais em gestão de unidades e sistemas de ensino; docência e pesquisa na educação básica e superior; além da atuação em agremiações comunitárias e sindicais e distintos conselhos de controle e acompanhamento de políticas sociais. É filiado a Associação Brasileira de Antropologia (ABA); e a Comissão Mineira de Folclore (CMFL); atuando ainda como assessor para relações transfronteiriças do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado do Amapá (SINDSEP). Colabora em diferentes grupos de pesquisa, inquirindo temas como antropologia da guerra ameríndia; história social da educação e escolarização no campo; gestão socioambiental em comunidades tradicionais; e literaturas e narrativas decoloniais.

Maria Zeneide Carneiro Magalhães de Almeida, Pontífica Universidade Católica de Goiás

Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (1975), Mestrado em Educação Filosofia e História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1991) e Doutorado em História pela Universidade de Brasília (2009). Pós-Doutorado em Educação-UFU( em andamento). Ex-professora Adjunta da FE/UFG. Atualmente é professora Adjunta da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Docente no Curso de Pedagogia e credenciada no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. Linha Pesquisa Educação, Sociedade e Cultura. Orienta em nível graduação (TCC), de mestrado, doutorado e pós-doutorado. Líder do Diretório/CNPq-GP" Educação, História ,Memória e Culturas em Diferentes Espaços Sociais-EHMCES/HISTEDBR/PUCGO. Membro efetivo da Academia de Letras do Noroeste Goiano-ALANEG.Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação, Memória, Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: Historiada da Educação, Memória, Cultura Escolar, formação de professores, educação do campo, história oral e cultural, história da educação mineira (noroeste) políticas educacionais, curso de pedagogia, grande sertão mineiro, Gênero, diversidade étnico-cultural e patrimônio cultural.

Referências

ALMEIDA, Maria Zeneide Carneiro Magalhães de. Educação e memória: velhos mestres de Minas Gerais (1924-1944). Tese de Doutorado. Universidade de Brasília. Departamento de História, Brasília, 2009.

BATISTA, Elza Cristiny Carneiro.Trajetórias escolares de jovens assentados: estudo em Arinos/MG. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Sociologia Política, Florianópolis, 2015.

BRASIL. Constituição (1934). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm>. Acesso em 28 de ago. de 2016.

BELTRÃO, Jane Felipe & LOPES, Rhuan Carlos dos Santos. “Alteridade e consciência histórica: a história indígena em seus próprios termos” In: Beltrão, Jane Felipe; Lacerda, Paula Mendes (Orgs.). Amazônias em tempos contemporâneos: entre diversidades e adversidades. Rio de Janeiro: Mórula, 2017.

CALDART, Roseli Salete. A escola do campo em movimento. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA; Mônica Castagna (Orgs). Por uma educação do campo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

CALDART, Roseli Salete. Sobre educação do campo. III Seminário do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA). Luziânia, Goiás, 2012. Disponível em <http://web2.ufes.br/educacaodocampo/down/cdrom1/ii_03.html> Acesso em 19 de mar. de 2017.

D'AGOSTINI, Adriana. A importância e a necessidade da teoria para a construção da escola do MST. In.: VENDRAMINI, Célia Regina e MACHADO, Ilma Ferreira (orgs.) Escola e Movimento Social: experiências em curso no campo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

DALMAGRO, Sandra Luciana. A escola no contexto das lutas do MST. In.: VENDRAMINI, Célia Regina e MACHADO, Ilma Ferreira (orgs.) Escola e Movimento Social: experiências em curso no campo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. Apresentação. In:FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

INCRA. Como é um assentamento. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/pt/assentamentos.html?id=223>. Acesso em: 24/07/ 2020)

MOREIRA, Gilvander Luís. A luta pela terra em contexto de injustiça agrária: pedagogia de emancipação humana? Experiências de luta da CPT e do MST.2017. Tese de Doutorado. UFMG. Faculdade de Educação, Belo Horizonte, 2017.

Pais proíbem que seus filhos assistam às aulas. Disponível em: Acesso em 01/08/2014.

PORTELLI, Alessandro. História oral como arte da escuta. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

TURATTI. Maria Cecília Manzoli. Os filhos da lona preta: Identidade e cotidiano em acampamentos do MST. São Paulo: Alameda, 2005.

Downloads

Publicado

04/12/2020

Como Citar

Batista, E. C. C., Batista, R. E. C., & Almeida, M. Z. C. M. de. (2020). História e memória da luta pela escolarização no assentamento Chico Mendes/Arinos-MG: a narrativa do curral que virou escola. Educação E Fronteiras, 10(30), 256–269. https://doi.org/10.30612/eduf.v10i30.14425