Gestão da Educação Especial no Brasil e conservadorismo político: notas sobre uma história persistente

Andressa Santos Rebelo, Mônica de Carvalho Magalhães Kassar

Resumo


Neste artigo temos por objetivo analisar as alterações na organização da gestão da Educação Especial entre 1986 e 2020, período considerado democrático pela historiografia, mas que conserva estruturas administrativas com origem na ditadura militar. Os procedimentos metodológicos consistiram em pesquisa documental com contribuições da análise de discurso. Foram verificadas algumas características na Educação Especial brasileira, como a conformação de seu lugar na estrutura administrativa do Estado brasileiro e a presença constante das instituições privado-assistenciais na proposição dos órgãos gestores e nas diretrizes de Educação Especial. Conclui-se que o diálogo entre a administração pública e setores privados, como sociedade civil organizada, por um lado pode ser analisada como característica de processos democráticos, em que se espera a existência de disputas nas tomadas de decisão. Por outro, pode ser indicativo de uma posição conservadora de manutenção de dependência econômica das instituições privadas aos recursos públicos.


Palavras-chave


Educação Especial; Inclusão escolar; Conservadorismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, M. E. B. Mecanismos regulatórios como elementos constitutivos da nova pedagogia da hegemonia. In: NEVES, L. M. W. (Org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

ALVES JUNIOR, A. G. C. TROVÃO, F. V. B. A educação entre a religião e a política: conservadorismo cristão e o homeschooling. Transversos: Revista de História. Rio de Janeiro, n. 17, Dezembro. 2019. pp. 36-60. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos/article/view/47405/31494

APPLE, M. W. “Endireitar” a educação: as escolas e a nova aliança conservadora. Currículo sem Fronteiras, v.2, n.1, pp.55-78, Jan/Jun 2002.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BARBOSA, E. Opinião. Inclusão: Revista de Educação especial, Brasília, v. 4, n. 1, p. 51-58, jan./jun. 2008.

BBC. ‘Ajuste fiscal é realidade’, diz ministro da Educação sobre cortes, de 10 de julho de 2015. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

BEZERRA, G. F.; ARAÚJO, D. A. C. A. Novas (re)configurações no Ministério da Educação: entre o fio de Ariadne e a mortalha de Penélope. Revista Brasileira de Educação, v. 19 n. 56 jan./mar., 2014.

BRASIL. Blog do Planalto. Ajuste fiscal, (tag). 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado Federal, 1988.

______. Decreto nº 9.465, de 2 de janeiro de 2019. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Educação, remaneja cargos em comissão e funções de confiança e transforma cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS e Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Brasília, 2019a.

______. Decreto nº 10.195, de 30 de dezembro de 2019. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Educação e remaneja e transforma cargos em comissão e funções de confiança. Brasília, 2019b.

______. MEC. CCS. Presidência da República. Redefinição da educação especial. Brasília, 1985a.

______. MEC. CCS. Presidência da República. O resgate da educação especial. Coordenadoria de Comunicação Social. Brasília, 1985b.

______. MEC. LDBEN n° 9.394/96. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

______. MEC. Portaria Normativa n° 13, de 24 de abril de 2007, que dispõe sobre a criação do “Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais”. Brasília, 2007a.

______. MEC. SEESP. Política Nacional de Educação Especial. Brasília, 1994b.

______. MEC. SEESP. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008.

______. MEC. SEESP. Tendências e Desafios da Educação Especial. Eunice M. L. Soriano de Alencar (Org.). Brasília: SEESP, 1994a.

______. Presidência da República. Decreto n° 72.425, de 3 de julho de 1973, que cria o Centro Nacional de Educação Especial (CENESP), e dá outras providências. Brasília, 1973.

______. Presidência da República. Decreto n° 7.480, de 16 de maio de 2011, que Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS e das Funções Gratificadas do Ministério da Educação e dispõe sobre remanejamento de cargos em comissão. Brasília, 2011.

______. Presidência da República. Decreto n° 7.690, de 2 de março de 2012, que Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério da Educação. Brasília, 2012.

______. Presidência da República. Decreto nº 93.481, de 29 de outubro de 1986, que dispõe sobre a atuação da Administração Federal no que concerne às pessoas portadoras de deficiências, institui a Coordenadoria para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - CORDE, e dá outras providências. Brasília, 1986a.

______. Presidência da República. Decreto nº 93.613, de 21 de novembro de 1986, que extingue órgãos do Ministério da Educação, e dá outras providências. Brasília, 1986b.

______. Presidência da República. Decreto nº 94.806, de 31 de agosto de 1987. Cria o Conselho Consultivo da Coordenadoria para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, e dá outras providências. Brasília, 1987.

______. Presidência da República. Governo de Fernando Henrique Cardoso. Câmara da Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, 1995.

______. Presidência da República. Lei n° 8.028, de 12 de abril de 1990. Dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios, e dá outras providências. Brasília, 1990.

______. Presidência da República. Lei n° 8.490, de 19 de novembro de 1992. Dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios e dá outras providências. Brasília, 1992.

______. Presidência da República. Lei n° 11.494/2007, de 20 de junho de 2007, que Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB e dá outras providências. Brasília, 2007b.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Ajuste para poder governar. Nueva Sociedad, v. out., p. 18-28, 2015.

BUENO, J. G. S. Os programas da diretoria de políticas de educação especial (DPEE/SECADI/ MEC) para a inclusão escolar: as salas de recursos multifuncionais – SRMS. Journal of Research in Special Educational Needs, n. 16, p. 172–177.

BUENO, J. G. S. Educação especial brasileira: integração/segregação do aluno diferente. 2ª. ed. São Paulo: Editora da PUC/SP - EDUC, 2004. v. 1. 187p.

CORREIA, W. F. O que é conservadorismo em educação?. Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sul, v. 18, n. 2, p. 78-90, maio/ago. 2013.

CÔRTES, S. V. Viabilizando a participação em Conselhos de Política Pública Municipais: arcabouço institucional, organização do movimento popular e policy communities. In: HOCHMAN, G.; ARRETCHE, M.; MARQUES, E. (Orgs.). Políticas Públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Fioruz, 2007.

CURY, C. R. J. A questão federativa e a educação escolar. In: OLIVEIRA, R. P.; SANTANA, W. (Orgs.). Educação e Federalismo no Brasil: combater as desigualdades, garantir a diversidade. Brasília: UNESCO, 2010.

EL PAÍS. Mais tributos e mais cortes: a conta da austeridade que o brasileiro vai pagar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

GARCIA, R. M. C. Disputas conservadoras na política de educação especial na perspectiva inclusiva. In: GARCIA, R. M. C. (Org.). Políticas de educação especial no Brasil no início do século XXI. Florianópolis: Núcleo de Publicações do CED, 2017. p. 19-66.

HOCHMAN, G.; ARRETCHE, M.; MARQUES, E. (Orgs.). Políticas Públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Fioruz, 2007.

JANNUZZI, G. S. M. Algumas concepções de educação do deficiente. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 25, n° 3, pp. 9-25, mai., 2004.

______. As políticas e os espaços para a criança excepcional. In: FREITAS, M. C.(org.) História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez: USF, 1997.

KASSAR, M. C. M. Mesa Redonda: Políticas de Educação Especial e implicações para as práticas escolares. In: VI Congresso Brasileiro de Educação Especial e IX Encontro Nacional dos Pesquisadores em Educação Especial. São Carlos, 2014.

KASSAR, M. C. M.; REBELO, A. S.; JANNUZZI, G. S. M. Educação Especial como política pública: Um projeto do regime militar?. Archivos Analíticos de Políticas Educativas / Education Policy Analysis Archives, v. 27, p. 61, 2019.

KASSAR, M.; REBELO, A.; OLIVEIRA, R. Embates e disputas na política nacional de Educação Especial brasileira. Educação e Pesquisa, v. 45, p. e217170, 27 set. 2019.

LANNA JUNIOR, M. C. M. (Comp.). História do movimento político das pessoas com deficiência no Brasil. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

LAPLANE, A. L. F. O que os dados do Censo Escolar revelam sobre as barreiras à inclusão? Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v.5, n.13 p.7-20, maio/ago., 2015.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública. São Paulo: Loyola, 1990.

MAZZOTTA, M. J. S. Educação Especial no Brasil: Histórias e Políticas Públicas. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MEC. Colóquio: Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: R. Educ. esp., Brasília, v . 4, n. 1, p. 7-17, jan./jun. 2008.

______. MEC promove seminário nacional para discutir novas políticas para estudantes surdos. 2019a. Disponível em: . Acesso: 22 abril 2020.

______. Seminário no MEC discute educação para surdos surdocegos e pessoas com deficiência auditiva. 2019b. Disponível em: . Acesso: 22 abril 2020.

______. Política de educação especial deverá passar por atualização. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/202-264937351/62961-politica-de-educacao-especial-devera-passar-por-atualizacao. Acesso: 2 out. 2018.

MELETTI, S. M. F. Educação Escolar da pessoa com deficiência mental em instituições especiais: da política à instituição concreta. Tese. Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano. USP, 2006.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso. 6. ed. Campinas: Pontes, 2005.

REBELO, A. S. A educação especial no Brasil: indicadores educacionais de atendimento especializado (1973-2014). 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2016.

REBELO, A. S.; KASSAR, M. C. M. Escolarização dos alunos da educação especial na política de educação inclusiva no Brasil. Inclusão Social (Online), v. 11, p. 56-66, 2017.

SADER, E. Profunda crise hegemônica no Brasil de hoje. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2015.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 8. ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados,

SCHNEIDER, B. R. A privatização no governo Collor: triunfo do liberalismo ou colapso do Estado desenvolvimentista? Revista de Economia Política, v. 12, n. 1 (45), jan./mar., 1992.

SILVA, L. I. L. Pronunciamento do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão solene de posse no Congresso Nacional, em 1° de janeiro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2016.

SOUZA, F. F. S.; PLETSCH, M. D. Atendimento educacional especializado: das diretrizes políticas à escolarização dos alunos com deficiência intelectual. Educação e Fronteiras On-Line, Dourados/MS, v.5, n.13, p.137-148, maio/ago., 2015.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v10i30.13182

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.