Educação CTS e formação de professores: dimensões a serem contempladas a partir do modelo crítico-transformador

Nília Oliveira Santos Lacerda, Roseline Beatriz Strieder

Resumo


A educação Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS) constitui-se como necessária e essencial ao processo de escolarização, principalmente, diante das exigências da sociedade contemporânea, marcada pela ciência e tecnologia, e também, por desigualdades e injustiças socioambientais. Por isso, não basta inserir temas sociais ao currículo ou elaborar materiais didáticos, sem que haja mudanças significativas nas concepções e nas práticas dos docentes, assim como reflexões sobre o papel social da escola. Assim, o objetivo deste ensaio é propor dimensões formativas que podem subsidiar ações fundamentadas pela educação CTS, visando o desenvolvimento da autonomia docente em uma perspectiva crítico-transformadora. Para tanto, utilizamos os princípios defendidos por José Contreras e Paulo Freire, articulando-os aos pressupostos da Educação CTS, que envolvem as dimensões de princípios e valores, responsabilidade social e exigências profissionais. Entendemos que a apropriação e a incorporação de uma orientação CTS mais crítica, nos cursos de formação de professores, pode contribuir para a construção da autonomia, sobretudo, quando as dimensões forem trabalhadas em uma perspectiva crítica-transformadora.


Palavras-chave


Formação de professores. Educação crítica. Perspectiva crítica-transformadora.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v9i25.11015

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.