O memorialismo no Mato Grosso do Sul como testemunho da formação do Estado

Paulo Bungart Neto

Resumo


Através da análise de obras como Camalotes e guavirais (1971), de Ulisses Serra; Onde cantam as seriemas (1975), de Otávio Gonçalves Gomes; Corumbá: memórias e notícias (1977), de Renato Báez; A poeira da jornada – Memórias (1980), de Demosthenes Martins; e Memórias do Johá (1993), de Oswaldo Marques, este artigo demonstra de que maneira o memorialismo sul-mato-grossense tornou-se testemunho da formação e do desenvolvimento do estado, registrando as mais diversas manifestações culturais da região, desde o início do século XX até a década de 1970, período do desmembramento do Mato Grosso e da criação do estado do Mato Grosso do Sul, em 1977.

Palavras-chave


Memorialismo sul-mato-grossense. Literatura do Mato Grosso do Sul.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.