Quando filmes são palavras: uma introdução aos estudos de roteiro

Autores

  • Pablo Gonçalo Universidade Nacional de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6336

Palavras-chave:

Estudos de roteiro. História do cinema. Intermedialidade.

Resumo

Este artigo realiza uma introdução aos estudos de roteiro, os quais, há cerca de uma década, vem se estabelecendo com um grupo de publicações, pesquisas, revistas acadêmicas, e de congressos periódicos. Apresentaremos os principais autores, conceitos, metodologias e tópicos de debates do campo chamado Screenwriting Studies. Dividimos o artigo em quatro seções, se ndo que na primeira salientamos uma periodização histórica da prática do roteiro dentro da história do cinema; na segunda, abordamos autores roteiristas, conceitos e metodologias; na terceira e na quarta elaboramos uma crítica refl exiva do campo dos estudos de roteiro e sugerimos uma contribuição que compreenda o roteiro como uma prática escrita intermedial além de iniciamos uma aproximação entre o roteiro e o debate sobre ekphrasis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORDWELL, David & STAIGER, Janet. Narration in the fi ction fi lm. Madison: University of Wisconsin, 1985.

______. The classical hollywood cinema: film style and mode of production to 1960. London: Routledge & Kegan Paul, 1985. Routledge, 1985.

BRINKMANN, Rolf Dieter. Der Film in Worten. Hamburg. Rowohlt, 1982.

CANNITO, Newton & SARAIVA, Leandro. Manual do roteiro ou Manuel: o primo pobre dos manuais de cinema e TV. São Paulo. Conrad Brasil, 2009.

CARRIERE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

DEBAECQUE, Antoine de. Cinefilia: invenção de um olhar, história de uma cultura, 1944-1968. São Paulo: Cosac & Naify, 2010.

EICK, Dennis. Drehbuchtheorien. Eine vergleichende Analyse. Konstanz: UKV, 2006.

FIELD, Syd. The screenwriter”s workbook. New York: Delta, 2006.

FIGUEIREDO, Vera Lucia Follain de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2010.

FISCHER-LICHTE, Erika. Culture as performances: theater history as culture history. Centro de Estudos de Teatro.

______. Ästhetik des Performativen. Frankfurt: Suhrkamp, 2004.

FLUSSER, Vílém: A escrita: há futuro para a escrita? São Paulo: Anablume, 2011.

GONCALO, Pablo. O cinema como refúgio da escrita: roteiro e paisagem em Peter Handke e Wim Wenders. São Paulo: Annablume, 2016.

______. As espirais dos arquivos: lento retorno e as paisagens de um filme sem telas. Revista Galáxias, São Paulo, v. 3, n. 33, 13 p. , 2016.

______. Estilhaços da frase fílmica: a dramaturgia intermedial de Peter Handke. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v .7, n. 2, 27 páginas , 2017.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2010.

HEFFERNAN, James A. W. Museum of words: the poetic of Ekphrasis from Homer to Ashbery. Chicago: The University of Chicago, 2004.

KAEL, Pauline. Criando Kane e outros ensaios. Rio de Janeiro: Record, 2000.

KITLER, Friedrich. Aufschreibesystem: 1800-1900. München: Fink Verlag, 1985.

______. Gramophone, filme, typewriter. Stanford: Stanford University, 1999.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

LESSING, G. E. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. São Paulo: Iluminuras, 1998. Universidade Federal da Grande Dourados 140 Raído, Dourados, MS, v. 11, n. 28, jul./dez. 2017, n. especial - ISSN 1984-4018

MARAS, Steven. Screenwriting: history, theory and practice. London & New York: Wallfl wer, 2009.

MAcDONALD, Ian. Screenwriting poetics and the Screen Idea. London: Palgrave Macmilian, 2013.

McKEE, Robert Story. Substância, estrutura, estilo e os princípios do roteiro. Curitiba:Arte e Letra, 2006.

MICTHELL, W. J. Picture Theory: essays on verbal and visual representation. Chicago: University of Chicago, 1995.

MÜLLER, Adalberto. Linhas imaginárias: poesia, mídia e cinema. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MULLER, Jürgen. Intermedialität und Medienhistoriographie. München: Wilhelm Fink, 2008.

NELMES, Jill (Org.). Analysing the screenplay. London: Routledge, 2011.

NORMAN, Marc. What Happens Next: A History of American Screenwriting. New York: Harmony Books, 2007.

PAECH, Joachim. Literatur und fi lm. Stu gart, Weimar, Metzler , 1997.

PASOLINI, Pier Paolo. Empirismo Hereje. Trad. Miguel Serras Pereira.Lisboa: Assírio & Alvim, 1982.

PELO, RIIKKA. Tonino Guerra: the screenwriter as a narrative technician or as a poet of images? Authorship and method in the writer-director relationship. Journal of Screenwriting. v. 1, is. 1, p. 113-129, 2010.

PRICE, Steve. A history of the screenplay. London: Palgrave Macmillan, 2013.

______. The screenplay: authorship, theory and criticism. ______: ______, 2010.

RODOWICK, D. N. The virtual life of fi lm. Cambridge, MA: Harvard University, 2007.

SAGER EIDT, Laura. Writing and fi lming the painting: ekphrasis in literature and film. Amsterdam: Rodopi, 2008.

SARGENT, Epes Winthrop. The technique of the photoplay.New York: The moving picture world, 1913.

SAYAD, Cecília. O jogo da reinvenção: Charlie Kaufman e o lugar do autor no cinema. Rio de Janeiro: Alameda, 2008.

SUSSEKIND, Flora. O cinematógrafo das letras: literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

WILLIAMS, Raymond. Drama em cena. São Paulo: Cosac & Naify, [1991] 2010.

Downloads

Publicado

21/12/2017

Como Citar

Gonçalo, P. (2017). Quando filmes são palavras: uma introdução aos estudos de roteiro. Raído, 11(28), 123–140. https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6336

Edição

Seção

PARTE III - ENTRE A LINHA E A SUPERFÍCIE: LITERATURA E IMAGEM TÉCNICA