As publicistas no século XIX

O germinar das ideias republicanas no nordeste brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v13i00.16928

Palavras-chave:

Mulheres, República, Século XIX

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar a escrita de mulheres nos jornais das províncias da Paraíba e Pernambuco, onde as mulheres deram início ao processo de criação do espaço público feminino para suas ideias republicanas. Para tanto, este estudo está inscrito na abordagem teórico-metodológica da Nova História Cultural. Os jornais pesquisados para este trabalho se encontram no Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba, localizado no Centro da cidade de João Pessoa. Estes foram compreendidos como objeto da cultura escrita de um determinado tempo e lugar, atentando para suas práticas de que são provenientes. Assim, a participação das mulheres nos jornais do XIX mostra como essas publicistas trabalhavam no propósito de emancipar as mulheres dos limites patriarcais. A imprensa lhes serviu como espaço de tribuna, lugar onde é possível compreender uma comunidade de leitoras, dando visibilidade ao que escreviam ou pensavam em uma determinada época e lugar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Daniella de França Bezerril, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Charliton José dos Santos Machado, Universidade Federal da Paraíba

Professor Titular lotado no Departamento de Metodologia da Educação - DME, no Centro de Educação/CE. Doutorado em Educação (UFRN). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1C.

Fabiana Sena, Universidade Federal da Paraíba

Professora Associada III, no departamento de Metodologia da Educação e credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Letras (UFPB).

Isabela Nathália Nunes Tristão , Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação. Bolsista FAPESQ/PB.

Referências

ALBUQUERQUE JR., D. M. de. A Invenção do nordeste e outras artes. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

ALVES, B. M. Ideologia & feminismo: a luta da mulher pelo voto no Brasil. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1980.

ARAUTO PARAHYBANO. Parahyba do Norte, 20 de maio de 1888.

BEZERRIL, F. D. de F. Vozes femininas: mulheres publicistas nos jornais do norte brasileiro (1880-1892). 2013. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

BUITONI, D. S. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. 2. ed. São Paulo: Sumos, 2009.

CARVALHO, M. F.M. A imprensa na formação do mercado de trabalho feminino no século XIX. In: NEVES, L. M. B.; MOREL, M.; FERREIRA, T. M. B. C. (org.). História e Imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A e FAPERJ, 2006.

CASADEI, Eliza Bachega. A inserção das mulheres no jornalismo e a imprensa Alternativa: primeiras experiências do final do século XIX. Revista Alterjor, Rio de Janeiro, ano 02, v. 01, n. 03, jan./jun. 2011.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XVI e XVIII. Tradução: Mary Del Priori. Brasília, DF: Ed. UnB, 1999.

COELHO, N. N. A Emancipação da Mulher e a Imprensa Feminina: século XIX. Publicado na revista Kplus, n. 28, [21--]. Disponível em: http://www.kplus.com.br/indice_geral.asp?rv=Literatura. Acesso em: 10 maio 2010.

COSTA, C. R. da. A revista no Brasil, o século XIX. 2007. Tese (Doutorado em Teoria e Pesquisa em Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27152/tde-24042009-152705/. Acesso em: 15 jul. 2012.

CUNHA, J. M. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco. Recife, [21--]. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar. Acesso em: 10 dez. 2012.

EMANCIPADOR. Parahyba do Norte, 28 de abr. de 1883.

FERREIRA, L. G.; ALVES, I.; FONTES, N. R. Suaves amazonas: mulheres e abolição da escravatura no Nordeste. Recife: Ed. UFPE, 1999.

GASPAR, L. Clube do Cupim. Pesquisa Escolar Online. Fundação Joaquim Nabuco. Recife, [21--]. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. Acesso em: 10 dez. 2012.

JORNAL DAS SENHORAS. Rio de Janeiro, 01 de janeiro de 1852.

LIMA, S. L. L. Imprensa feminina, revista feminina: a imprensa feminina no Brasil. Projeto História, São Paulo, n. 35, p. 221-240, dez. 2007. Disponível em: revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/download/2219/1320. Acesso em: 10 jan. 2023.

MELLO, E. C. A outra independência: o federalismo pernambucano de 1812 a 1824. São Paulo: Ed. 34, 2004.

MUZART, Z. Uma espiada na imprensa das mulheres no século XIX. Revista Estudos Femininos, Florianópolis, v. 11, n. 1, jun. 2003. DOI: 10.1590/S0104-026X2003000100013.

NASCIMENTO, C. V. do. Francisca Senhorinha da Motta Diniz: movimento feminista no magistério e na imprensa. In: FARIA FILHO, L. M.; INÁCIO, M. S. (org.). Políticos, literatos, intelectuais: o debate público sobre educação em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora Mazza, 2009.

OLIVEIRA, K. da R. Josephina Álvares de Azevedo: a voz feminina no século XIX através das páginas do Jornal A Família. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional/MINC, Programa Nacional de Apoio à Pesquisa, 2009.

PATEMAN, C. O Contrato Sexual, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PERROT, M. As Mulheres ou os silêncios da História. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

ROCHA NETO, M. P. da. JORNAL DAS MOÇAS (1926-1932): imprensa feminina no sertão norte-rio-grandense. Rev. Estud. Comun., Curitiba, v. 9, n. 19, p. 141-146, maio/ago. 2008.

SCHWARCZ, L. M.; STARLING, H. M. A bailarina da morte: a gripe espanhola no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

SENA, F.; CRUZ, A. R. S. Correio das Modas e Novo Correio das Modas: modos de ser mulher em Lisboa e no Rio de Janeiro do século XIX. Graphos, João Pessoa, v. 14, p. 67-80, 2012.

SENA, F.; MACHADO, C. José dos Santos. Boas Leituras às mulheres Lusitanas: O Beija-Flor, jornal português à brasileira, dedicado à instrução e recreação. Interfaces Científicas - Educação, v. 2, p. 69-79, 2014.

SILVA, G. C. da. Intelectuais à pernambucana: a revista O Lyrio como espaço emancipatório da produção intelectual feminina no Recife (1902-1904). 2020. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2020.

SODRÉ, N. W. História da Imprensa no Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

TOCQUEVILLE, A. A Democracia na América. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VAINSENCHER, S. A. Maria Amélia de Queirós. Acervo da Secretaria da Mulher do Estado de Pernambuco, [21--]. Disponível em: www2.secmulher.pe.gov.br/web/secretaria-da-mulher/mulher15. Acesso em: 10 dez. 2012.

VERDADE. Parahyba do Norte, 06 de maio de 1888.

Publicado

2023-12-23

Como Citar

BEZERRIL, Fernanda Daniella de França; MACHADO, Charliton José dos Santos; SENA, Fabiana; TRISTÃO , Isabela Nathália Nunes. As publicistas no século XIX: O germinar das ideias republicanas no nordeste brasileiro . Educação e Fronteiras, Dourados, v. 13, n. 00, p. e023024, 2023. DOI: 10.30612/eduf.v13i00.16928. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/educacao/article/view/16928. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua