Planejamento de atividades de educação ambiental em uma unidade de conservação sob o olhar de acadêmicos de Gestão Ambiental

Monica Ansilago, Nathaskia Silva Pereira, Ana Paula Lemke, Emerson Machado de Carvalho

Resumo


O presente estudo teve como objetivo a aplicação do método SWOT como ferramenta de análise do uso da educação ambiental no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema (PEVRI), localizado no município de Jateí/MS. Este estudo também faz parte das atividades de ensino e extensão voltadas para a reestruturação do Plano de Manejo do PEVRI. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, de gênero exploratório-descritivo, com intuito de apontar os pontos fortes, fracos, ameaças e oportunidades. As informações foram obtidas após observação in loco por meio de viagem técnica e posterior levantamento bibliográfico. Os dados coletados foram reunidos na matriz SWOT. A matriz foi pontuada levando em consideração o grau de importância das situações que existe no parque. Com base nos resultados, foi criada uma tabela com os aspectos internos e aspectos externos do PEVRI. Foi utilizada a planilha de análise SWOT 3.0 do Programa Luz Planilhas Empresariais. O resultado da comparação das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças mostra que apesar do parque possui uma estrutura degradada, apresenta potencial para recreação, lazer e educação ambiental. Porém tem sido despendida pouca atenção por parte do poder público com a integração socioambiental e a manutenção do parque. Por meio do cruzamento de dados na matriz SWOT, percebe-se que as estratégias envolvem planos de ações para conscientização da população, envolvimento de órgãos públicos, parcerias com a comunidade acadêmica, entre outras. Assim, apesar dos pontos negativos, o PEVRI possui aspectos positivos que podem alavancar o desenvolvimento de atividades de Educação Ambiental.


Palavras-chave


PEVRI. Matriz SWOT. Integração socioambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, B. S.; ABREU, I. G.; MORAIS, P. S. A.; FERREIRA, C. M. A. Educação ambiental e a gestão participativa dos recursos naturais: interrelação necessária para surgimento de um novo paradigma. Polêmica, v 11, n. 3, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília: MMA.

LOUREIRO, C. F. B. CUNHA, C. C. Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente e Saúde, v. 11, n. 2, p. 237-253, 2008.

MEDEIROS, A. B.; MENDONÇA, M. J. S. L.; SOUSA,G. L.; OLIVEIRA, I. P. A Importância da educação ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, p. 1-17, 2011.

OCON, D. C. M. Grupos de poder e território: criação e implantação do Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema – PEVRI – MS. 301 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual do Maringá. 2015.

PEREIRA, Z. V. KINOSHITA, L. S. Rubiaceae Juss. do Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema, MS, Brasil. Revista Hoehnea, v. 40, n. 2, São Paulo Jun- 2013.

UNESCO. Década da Educação das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação, Brasília, Brasil, 2005. 120 p.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v5i10.8594

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.