Determinação de manganês disponível em solos de referência da mesorregião oeste do Paraná

Cleidimar João Cassol

Resumo


O estudo do solo de áreas naturais é fundamental para inferir o nível de contaminação de solos expostos à degradação e interação entre suas variáveis, bem como auxiliar em programas de monitoramento ambiental. O objetivo desse estudo foi determinar as concentrações disponíveis de manganês em Latossolo Vermelho e Gleissolo Háplico de áreas com vegetação nativa consideradas de referência, ausentes de contribuição antropogênica direta, da Mesorregião Oeste do Paraná. Foram realizadas quatro coletas de solos em profundidade de 0 a 20 cm de profundidade, e encontradas duas classes de solo Latossolo Vermelho e Gleissolo Háplico. Para quantificar os teores de manganês disponível foi empregada a extração ácida das amostras de solos com HCl 0,1 mol L-1. O teor médio de manganês para o Gleissolo Háplico foi de 128,7 mg kg-1, e para o Latossolo Vermelho 326,3 mg kg-1. As diferenças nas concentrações entre as classes de solo sugerem estudos regionalizados e que considerem aspectos geomorfológicos dos solos.

Palavras-chave


Metais. Latossolo. Gleissolo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARONA, A.; ROMERO, F. Distribution of metals in soils and relationships among fractions by principal component analysis. Soil Technology, Cremlingen, v.8, p.303-319, 1996.

BIONDI, C. M.; NASCIMENTO, C. W. A.; NETA, A. B. F.; RIBEIRO, M. R. Teores de Fe, Mn, Zn, Cu, Ni e Co em solos de referência de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciência do Solo , 35:1057-1066, 2011.

BOCARDI, J. M. B.; PLETSCH, A. L.; ROCHA, A. S.; QUINAIA, S. P. Parâmetros físicos e químicos em solos de Unidades de Conservação Florestal da Bacia do Paraná 3, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 11, n. 1, p. 99-113, 2018.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Resolução Nº 420, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=620 Acesso em : 11 de maio de 2018.

BURT, R., WILSON, M.A.; MAYS, M. D.; LEE, C. W. Major and trace elements of selected pedons in the USA. Journal of Environmental Quality. V. 32, p. 2109-2121, 2003.

COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO - CFSRS/SC. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10. ed. Porto Alegre, SBCS - NRS/UFRGS, 2004. 400p.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro, Embrapa Solos, 2006. 306p.

FADIGAS, F.S.; SOBRINHO, N.M.B.A.; MAZUR, N.; ANJOS, L.H.C. FREIXO, A.A. Concentrações naturais de metais pesados em algumas classes de solos brasileiros. Bragantia, v. 61, p.151-159, 2002.

INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS-IAC. http://www.iac.sp.gov.br/solossp/pdf/Latossolos.pdf . Acessado em 10 de maio de 2018.

FAO. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. Ano Internacional dos Solos – fao.org/soils – 2015.

MINEROPAR – MINERAIS DO PARANÁ. Atlas Comentado da Geologia e dos Recursos Minerais do Estado do Paraná. Secretaria da Indústria, do Comércio e do Turismo/MINEROPAR, Curitiba, 2001. 125p.

PELOZATO, M. Valores de referência de cádmio, cobre, manganês e zinco para solos de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado) 70 p. – Centro de Ciências Agroveterinárias / UDESC 2008.

TEDESCO, M. J.et al. Análise de solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: UFRGS, 1995. 174p.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v5i9.8535

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.