Pela gestação de outras saúdes e incontáveis modos de ser/estar o mundo

Catia Paranhos Martins

Resumo


Este texto é um exercício de pensamento que toma aspectos da saúde materna e da saúde indígena/indigenista de Dourados e região como dispositivos para questionar o presente e o que nos acontece. O cenário é paradoxal e marcado por inúmeras disputas. A força da monocultura produz o empobrecimento da vida e assujeitamentos de várias ordens. Num enfraquecimento de diversas formas de existência, as experiências estão cada vez mais restritas aos guetos identitários e as políticas de saúde servem, comumente, como estratégia para reafirmar as perspectivas naturalizantes. Dentre os desafios, destaco: como ampliar o compromisso coletivo como a vida quando o presente é o Brasil pós-golpe?

Palavras-chave


Saúde. Cartografia. Psicologia social.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i8.8834

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.