Interlocuções da educação de jovens e adultos pela biopolítica em Foucault

Dayana Oliveira Arruda, Antônio Carlos do Nascimento Osório, Carlos Igor Oliveira Jitsumori

Resumo


Este artigo apresenta reflexões e interfaces conceituais para pensar a educação de jovens e adultos enquanto estratégia de escolarização configurada e historicamente legitimada no jogo de suas práticas efetivas e discursos, como via de controle e correção individual e social de sujeitos em descompassos no que tange a processos e níveis de escolaridade. As considerações engendram subsídios teóricos que compõem a pesquisa intitulada “efeitos da educação de jovens e adultos: discursos e práticas como jogos de verdade”, cuja extensão dos objetivos visa identificar implicações da educação de jovens e adultos na perspectiva de egressos desta modalidade, de uma escola da rede estadual de ensino de Mato Grosso do Sul (REE/MS), localizada no município de Campo Grande/MS; estudo vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (PPGEDU/FAED/UFMS). Utilizando da genealogia como eixo dos referenciais foucaultianos atinentes às redes intricadas de saberes, poderes, oposições e lutas, e com base nas formulações analíticas circunscritas à biopolítica enquanto estatização e organização da vida, correlacionamos como dinâmicas intrínsecas à educação de jovens e adultos, técnicas de regulamentação dispostas em (des)contínuas abrangências que por sua vez, caracterizam e esquadrinham os sujeitos em suas disposições, comportamentos e condições de existência, como alvos imediatos destas práticas e discursos, em face da escolarização de jovens e adultos e suas prerrogativas. À guisa conclusões, vislumbramos esta modalidade de ensino como dispositivo que em seus interesses e propósitos institucionais, forjam relações que instituem e aprimoram mecanismos de regulamentações de toda ordem e em todos os âmbitos da vida dos sujeitos que a ela recorrem por diferentes fatores, urgências e demandas, sendo continuamente examinados, classificados e constitutivos de descompassos que ultrapassam processos de escolarização ou ausência de certos níveis de escolaridade – espaços e tempos que corroboram desigualdades sociais.

 


Palavras-chave


Educação de jovens e adultos. Dispositivo. Biopolítica.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. LEI FEDERAL Nº 9.394, 1996. “Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional”. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

CASTRO, Edgardo. (2016). Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. 2. ed. Tradução de Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte, Autêntica Editora.

FOUCAULT, Michel. (2014a). A ordem do discurso. 24ª ed. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo, Edições Loyola.

FOUCAULT, Michel. (2014b). Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42ª ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, Vozes.

FOUCAULT, Michel. (2013). História da sexualidade I: a vontade de saber. 23ª ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albiquerque. Rio de Janeiro, Edições Graal.

FOUCAULT, Michel. (2010a). “O cuidado com a verdade: 1984”. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Ditos e escritos V: ética, sexualidade, política. Tradução de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro, Forense Universitária, p. 240-251.

FOUCAULT, Michel. (2010b). “Perguntas a Michel Foucault sobre geografia”. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Estratégia, poder-saber. Tradução de Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro, Forense Universitária, p. 175-188. (Ditos e escritos IV).

FOUCAULT, Michel. (2010c). Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). 2ª ed. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo, Martins Fontes.

GALLO, Silvio. (2017). Políticas da diferença e políticas públicas em educação no Brasil. Educação e Filosofia, v. 31, n. 63, p. 1-19, 2017. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/36722/21735. Acesso em: abr. 2018.

OSÓRIO, Antônio Carlos do Nascimento. (2010). “As instituições: discursos, significados e significantes, buscando subsídios teóricos e metodológicos”. In: OSÓRIO, Antônio Carlos do Nascimento (Org.). Diálogos em Foucault. Campo Grande, Editora Oeste, p. 95-133.

OSÓRIO, Antônio Carlos do Nascimento (2007). Estranho medo da inclusão. Educação, Santa Maria, v. 32, n. 2, p. 301-318, jul./dez. 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/674/484. Acesso em: 20 ago. 2016.

HADDAD, Sérgio; DI PIERRO, Maria Clara. (2000). Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro/RJ, n. 14, p. 108-194. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a07. Acesso em: abr. 2018.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar 2018: notas estatísticas. (2019). Brasília/DF, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf. Acesso em 20 fev. 2019.

MACHADO, Maria Margarida. (2016). A educação de jovens e adultos: após 20 anos da Lei nº 9.394, de 1996. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, p. 429-451. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/viewFile-

/687/706. Acesso em: 30 jan. 2018.

MATO GROSSO DO SUL. (2018). Secretaria de Estado de Educação. Projetos e programas: censo escolar 2018. Campo Grande/MS. Disponível em: http://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/67/2018/06/PROGRAMAS-E-PROJETOS-2018.pdf. Acesso em: nov. 2018.

PAIVA, Vanilda. (2015). História da educação popular no Brasil: educação popular e educação de adultos. 7 ed. São Paulo, Edições Loyola.

RIBEIRO, Vera Masagão. (2014). “Referências internacionais sobre avaliação da educação de jovens e adultos.” In: CATELLI JR, Roberto; HADDAD, Sérgio; RIBEIRO, Vera Masagão. (Orgs.). A eja em xeque: desafios das políticas de educação de jovens e adultos no século XXI. São Paulo, Global.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (1999). “Conferência internacional de educação de adultos”. Declaração de Hamburgo, agenda para o Futuro. Brasília, SESI/UNESCO.

ZILIANI, Rosemeire de Lourdes Monteiro. (2013). “(Re)pensando saberes e fazeres: contribuições dos estudos foucaultianos para a educação.” In: OSÓRIO, Antônio Carlos do Nascimento (Org.). Poderes e saberes: corpus em educação. Campo Grande, Editora Oeste, p. 39-52.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v7i10.10306

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.