Políticas assistenciais e a produção de sujeitos vulneráveis: o processo de desinstitucionalização produzindo zonas de abandono social

Renata Lemes Allram, Gabriela Felten da Maia

Resumo


O presente artigo visa trazer a tona as particularidades de um município de médio porte, do interior do Rio Grande do Sul, que acabou chamando a atenção por ser conhecido como “depósito de gente”, visto o grande número de instituições privadas de caráter asilar que mantinham mais de 600 pessoas institucionalizadas, entre idosos, pessoas com deficiência e sofrimento psíquico. Com denúncias de violação aos direitos humanos, o cenário apresenta-se como zonas de abandono social, com a anuência, de certa forma, do poder público. Por essa razão foi alvo de intervenção de órgãos de garantia de direitos humanos com vista a modificar o quadro que se apresentava. Considerando esse contexto, objetivamos discutir as ambiguidades e tensões na constituição do processo de desinstitucionalização, refletindo sobre o modo como as políticas assistenciais produziram zonas de abandono na medida em que buscavam proteger pessoas consideradas em situação de vulnerabilidade. Para tanto, a análise parte da observação participante, análise dos documentos produzidos ao longo do processo, tais como atas de reuniões e relatórios técnicos e fala dos demais atores sociais envolvidos – profissionais que atuam nos órgãos e serviços da cidade e de outras regiões do estado, residentes, gestores, trabalhadores e proprietários das casas asilares. Inicia-se apresentando uma genealogia deste processo de desinstitucionalização e as discussões fomentadas em âmbito das políticas públicas municipais, principalmente, a visão dos técnicos de assistência social, bem como o lugar desta no quadro em tela, especificamente, reflete-se as particularidades dessa problemática na rede de garantia de direitos municipal e o panorama encontrado para pensar o lugar da assistência social neste processo.


Palavras-chave


Desinstitucionalização. Assistência social. Precariedade.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio (2002). Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte, UFMG.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. Secretaria Nacional de Assistência Social. (2004). Política Nacional de Assistência Social – PNAS. Brasília.

BIEHL, João. (2008). “Antropologia do devir: psicofármacos - abandono social – desejo”. Revista de Antropologia, São Paulo, 51(2): 413-449.

CARNEIRO, Nancy Greca de Oliveira; ROCHA, Luciana de Carvalho. (2004). “O processo de desospitalização de pacientes asilares de uma instituição psiquiátrica da cidade de Curitiba”. Psicologia, Ciência e Profissão, Brasília, (24)3: 66-75.

DAS, Veena. (1995). “The Anthropology of Pain”. In: _____. Critical events: an anthropological perspective on contemporary. India, New Delhi, Oxford University Press, p. 175-196.

DAS, Veena.; POOLE, Das. (2008). “El Estado y sus márgenes: etnografias comparadas”. Revista Cuadernos de Antropología Social, Buenos Aires, (27): 19-52.

DECRETO MUNICIPAL Nº. 120, 2013, Cachoeira do Sul.

FASSIN, Didier. (2005). “Gobernar por los cuerpos, políticas de reconocimiento hacia los pobres y los inmigrantes”. Educação, Porto Alegre, (28)2: p. 201-226.

FOUCAULT, Michel. (2002). “Aula de 17 de Março de 1976”. In: Em Defesa da Sociedade. Curso no Collège de France. São Paulo, Martins Fontes, p. 285-315.

GOFFMAN, Erving. (1988). Estigma: Notas Sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro, Editora Guanabara.

GOFFMAN, Ervin. (1961). Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo, Editora Perpectiva.

KLEINMAN, Arthur et al. (1997). “Introduction”. In: _____. Social Suffering. Berkely, University of California Press.

OLIVEIRA, Joana Angélica Macedo; PASSOS, Eduardo. (2007). A implicação de serviços de saúde mental no processo de desinstitucionalização da loucura em Sergipe. Vivência, Natal, (1): 259-275.

ORTEGA, Francisco. (2008). “Rehabitar la Cotidinidad”. In: _____. (org.). Veena Das: Sujetos del Dolor, Agentes de Dignidad. Bogota, Universidad Nacional de Colombia.

PEREIRA, Gabriela Simões. (2017). “O campo, a exceção e a vida nua: uma leitura da instituição total manicomial”. Profanações, Mafra, (4) 1: 145-161.

PORTARIA Nº. 106, 2000.

PORTARIA Nº. 3090, 2011.

RESOLUÇÃO 109, 2009.Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais, Brasília.

SADIGURSKY, Dora; TAVARES, José Lucimar. (1998). “Algumas considerações sobre o processo de desinstitucionalização”. Revista Latinoamericana de Enfermagem, Ribeirão Preto, (6) 2: 23-27.

SHORE, Cris. (2010). “La antropologia y el estudio de la política pública: reflexiones sobre la "formulación" de las políticas”. Antipoda, Revista de Antropologia y Arqueologia, Bogotá, (10): 21-49.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v7i10.10297

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.